DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

quarta-feira, 13 de maio de 2015

CRÔNICA (AM)


SAUDADES DORIDAS DO AUDÍFAX
Assis Martins*


A Morte, despindo-se dos nossos bens materiais, veste-nos das ossas obras. Jean-Antoine Petit-Senn. 1792-1870).


Tarefa penosa é escrever sobre meu amigo Audífax Rios, haja vista sua partida subitânea para a dimensão do Éter.

Mantivemos relação fraternal desde que ingressou na TV Ceará – Canal 2, em 1965, há exatos cinquent’anos. Desnecessário é dizer mais sobre sua trajetória, porquanto muito já está escrito acerca do homem de múltiplas facetas: o cenógrafo dos Diários Associados, com belíssimos trabalhos, o diretor de Arte de grandes agências publicitárias de Fortaleza, o artista plástico de alteada produção – premiado no I Salão dos Novos-1968, na UNIFOR Plástica-1986 e no Salão de Abril-1989, afora incontáveis exposições – e desenhista de traço inconfundível em dezenas de capas de livros.

Na Literatura, também, pontificou como autor prolífero – folhetos de cordel, livros infantis, romance e partícipe de várias antologias.

Vou, decerto, demorar a me afazer com este vazio deixado pelo irmão-parceiro, pois se passaram cinco décadas de convívio laboral, nas agências de publicidade, e trato amistoso nas visitas espirituosas constantes ao Bar Peixe Frito, Frixtil e Bar do Zeti, na praça dos Voluntários, sem esquecer, também, os arredores da TV do indiozinho, como o Jerbô, por exemplo.

Nossos encontros não eram fortuitos, pois, com muita frequência, eu estava na sua casa, onde realizamos muitos e bons trabalhos.

De inopino, pelos desígnios do Alto, restou deletada a parceria, sem, no entanto, se impor termo à amizade, pois, com a mais absoluta certeza, Audífax Rios não se foi, mas se transmutou na paisagem que tanto homenageou nas suas pinturas e rebentos literários.

Ovídio nos diz que [...] não morrerei completamente, i.é, se vão as pessoas, porém ficam suas obras.


É isto ...

*Assis Martins 
Funcionário da U.F.C.
Cronista e Ilustrador. 
Bacharel em Geografia e Tecnologia e Gestão do Ensino Superior 
pela Universidade Federal do Ceará.


Nenhum comentário:

Postar um comentário