DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

segunda-feira, 13 de julho de 2015

CRÔNICA - Amilton Rocha (VA)


FUTEBOL & CIA
AMILTON (SEM H) ROCHA
Vicente Alencar*

Ontem falei neste programa sobre Adelson Leite Julião, com saudade dos tempos que se foram no nosso futebol, com nomes dos que continuam vivos, admirados, e sempre lembrados por aqueles que os viram jogar, apitar ou dirigir clubes e entidades, em nosso futebol cearense.

Sempre afirmo que o futebol de alguns anos atrás, principalmente no PV, tinha suas dificuldades, mas também suas maravilhas. Que dizer, por exemplo, dos dribles secos, curtos, rápidos, distintos, da maior expressão de um ponteiro direito, chamado Amilton Rocha?

Ponteiro, na acepção do termo, que recebia  do lateral direito, ou do meia de construção ou, de qualquer companheiro, e fazia sua festa, pela direita de campo. Fugia com a bola – no bom sentido – pela borda do campo, superava o seu marcador uma vez, duas vezes, até mais, e outro qualquer que viesse em socorro do adversário.

A bola cruzada, da linha de fundo, pelo alto, na cabeça do centroavante que chegava. Era uma jogada que fazia o torcedor delirar. Após o cruzamento e a conclusão do atacante, aquele UUUUURRRRR da torcida. Fazendo o gol ou perdendo, o finalizador, o goleador, o atacante responsável pelo encerramento da jogada levantava a torcida. Se o gol era marcado, festa, abraços, gritos. Amilton Rocha recebendo o abraço pela produção da jogada.

Um ponteiro que ao lado de Louro, lateral direito, granjeou o prestígio dos torcedores do Fortaleza. Da mesma maneira dos torcedores paulistas, ao defender a jaqueta do Guarany, de Campinas e também do Palmeiras, ou dos pernambucanos, quando passou pelo Santa cruz e pelo Sport.

Os anos são passados, o PV vibrou, o Castelão não contou com o futebol de Amilton Rocha, em muitos jogos, craque com C maiúsculo, que hoje faz falta – e como faz falta ao Fortaleza e ao futebol cearense! – pois também atuou pelo Ceará Sporting e pelo Ferroviário. A nossa saudade do futebol brilhante e objetivo de Amilton Rocha! 

Crônica lida em 08.07.2015 no Programa Vicente Alencar –  Educação, Cultura e Esporte, pela Rádio Assunção Cearense AM 620. (radioassuncaocearense.com)


* Vicente Alencar 
Jornalista. Poeta. Escritor
Presidente da União Brasileira de Trovadores UBT Fortaleza.
1º Vice-Presidente da ALMECE Academia de Letras
 dos Municípios do Estado do Ceará.
Secretário Geral da Academia 
Fortalezense de Letras
 Membro da Academia Cearense da Língua Portuguesa, 
da Academia Cearense de Retórica e da
Sociedade Cearense de Geografia e História
 Titular da Cadeira nº 27 da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo

Nenhum comentário:

Postar um comentário