DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

sexta-feira, 17 de julho de 2015

ARTIGO - A Política Brasileira Virou Pântano (RV)

A POLÍTICA BRASILEIRA
VIROU PÂNTANO
Reginaldo Vasconcelos*

Pântano é um terreno alagadiço muito fértil para os processos naturais primitivos, onde pululam os sanguessugas, os batráquios, os carcinóides em geral, e onde se vão muita vez nutriz e reproduzir os bichos mais rudes e beluínos do Planeta, em meio a uma flora semiaquática contorcida e agressiva – os tubarões, as anacondas, os crocodilianos.

Mas os seres mais evoluídos e os animais superiores não podem sobreviver com higidez e com conforto nessas geenas naturais, nesses charcos fétidos e lúgubres, pois ali o solo é lamacento e movediço, cheio de umidades e de miasmas insalubres, repleto de armadilhas com cúspides cruentos, que fazem do caçador de hoje a carniça de amanhã.

Pois está neste momento caindo o pano de cena em que se desenhava o Brasil como um país boscarejo e maravilhoso, capaz de prodígios olímpicos no futebol e de um paradisíaco carnaval, pretensa pátria de Deus e objeto de milagres econômicos, mercê de seu exuberante patrimônio ecológico, de sua alma pacifica e humanitária, de sua vocação para ser um dia uma superpotência mundial, autossuficiente em riquezas naturais.  

Qual nada, a realidade que se desvela e revela no momento, pela queda do falso cenário mítico, é um pântano nojento, em que uma elite política sórdida, brandindo falso espírito público para iludir as grandes massas nacionais votantes, chafurda no lodo verdoengo do dinheiro.

Promoveram o superfaturamento de obras para a Copa Mundial de Futebol, muitas das quais que sequer foram concluídas, prejudicando a saúde financeira das maiores empresas públicas nacionais, lesando gravemente a economia do País; parasitavam a fortuna dos capitalistas do topo da pirâmide, haurindo o contributo fiscal do trabalhador de classe média para manter-se no poder, sugando as veias quase exangues dos patrícios miseráveis, tributados no seu consumo essencial.

A Presidente da República está no fio na navalha pelo cometimento notório de uma grande mentira fiscal para se reeleger, que o Tribunal de Contas da União vai decidir se configura crime, ou se meramente um pecadilho perdoável, um deslize venial. Toda sorte, ela foi reeleita com base em uma campanha suja e mentirosa – um rei absolutamente nu, que todos enxergam, mas que somente alguns oposicionistas mal lavados denunciam.

O mentor político da sua sucessora, o ex-presidente da República, por seu turno, é investigado por enriquecimento ilícito, com tráfico de influência no governo atual. Por outro lado, um presidente antigo, que já fora banido da presidência e da política, o qual voltou à vida pública como senador, é acusado de vultosa roubalheira.

Usou ele nesses dias a tribuna do Senado para defender-se – sem nada dizer contra as acusações e os seus acusadores – mas partindo de duas premissas curiosas. Primeiro, alegando que a autoridade que preside as investigações contra ele é um corrupto rematado. Segundo, insinuando que, em sendo esta autoridade pessoa indigna, ele também teria o direito de sê-lo.

Ora, começa que ele é suspeito para, neste momento (e somente agora que está sendo investigado) denunciar a conduta pretensamente imprópria do seu investigador. Termina que ele não consegue (nem tenta) explicar por que o Procurador da República investiria contra ele injustamente, expondo-se a ter os seus próprios alegados podres revelados.

Acontece que também são apontados como estando até o pescoço no atoleiro desse mangue odiento, entre tocas de caranguejos carniceiros e ninhos de salamandras venenosas, dentre outros parlamentares, o deputado presidente da Câmara e o senador presidente do Senado, o que compromete agora por inteiro dois dos três montesquianos Poderes da República Brasileira.

Mas, desgraçadamente, também se vislumbra lama na toga do Poder Judiciário (que, a essa altura dos acontecimentos, é a última esperança dos brasileiros de bem), cujo presidente foi flagrado pela imprensa em encontro secreto no Exterior com o Poder Executivo, na pessoa de suas figuras principais.

Uma vez pilhados nessas vexatórias calças curtas, os protagonistas do fato dizem que tudo foi casual, e que aquele Ministro do Supremo Tribunal não foi tratar dos processos contra os políticos do partido do governo, que é a sua maior angústia no momento – e que ele eventualmente terá que julgar – mas para cobrar à Presidente o seu próprio aumento de salário, saindo a emenda muito pior do que o soneto, porque isso configura um eventual objeto de barganha para julgamentos bonançosos.

É. A política brasileira "virou pântano", na expressão do linguista russo Dmitry Sidorenco, membro honorário da ACLJ, quando ele se refere genericamente à degradação das boas coisas – ele que nasceu e vive na belíssima cidade de São Petersburgo, que o imperador Pedro, O Grande, fez construir sobre os brejos pantanosos do Golfo da Finlândia, estuário do Rio Nava, que ali deságua no Mar Báltico.

Caro professor Vianney, tudo isso posto – e deixando de dizer mais, pelo princípio da síntese e da economia  concluo repetindo o velho bordão, e aplicando o vernáculo da melhor forma que a tua sapiência nos ensina: QUE DEUS SE APIADE DE NOSSAS ALMAS! 


 
*Reginaldo Vasconcelos
     Advogado e Jornalista
             Titular da Cadeira de nº 20 da ACLJ       

Nenhum comentário:

Postar um comentário