DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

quarta-feira, 17 de junho de 2015

CRÔNICA (RV)

SOBRE A ORIGEM
DOS NOSSOS INDÍGENAS
Reginaldo Vasconcelos*


Dentro do tema racial que Wilson Ibiapina feriu eu seu artigo abaixo sobre os índios brasileiros, chama muita atenção no mundo todo o caso dessa moça americana, Rachel Dolezal, que, sendo branca, se fingia de negra, pelas mais nobres razões, já que visava se integrar, mais confortavelmente, em ativismo antirracista. E foi desmascarada em sua farsa pelos seus próprios pais.

Os pais de Rachel não são racistas, tanto assim que no passado adotaram quatro crianças negras como filhas. O que os moveu a denunciá-la foi a sua elevada consciência legalista, pois os incomodava ver a filha incorrendo em flagrante e desnecessária falsidade ideológica.

Registre-se, antes de tudo, essa tendência moderna de se legitimar – legal, social e até cirurgicamente – uma realidade paralela sobre a condição original do indivíduo que resolver não ser aquilo que, ao nascer, era de fato – e que biologicamente continuará a ser até a morte.

Por exemplo, crianças de fisionomia oriental ou de fenótipo africano são adotadas por pais brancos, e vice-versa, e adquirem todos os direitos garantidos aos seus filhos consanguíenos. Nada mais justo. Nada mais civilizado.

Mas, a partir de então se torna politicamente incorreta qualquer observação, qualquer especulação, qualquer mínima referência à gritante diferença física na família. Instala-se uma irrealidade genética intocável, um tabu, como um ridículo segredo de polichinelo. Tolice. Este cronista tem mulher indígena e filho negro, sem qualquer constrangimento em admiti-lo. 

Por outro lado, tem-se entendido que meninos que queiram ser tratados como meninas nas escolas devem sê-lo incontinenti – sob pena de se presumir prática de boolling – isso sem que tenha havido mudança oficial de gênero no registro civil da criança, ou operação de mudança de  sexo que pelo menos aproxime a realidade pretendida. Então, as pessoas se obrigam a ver pedra e fazer de contas que é tijolo, praticando uma mentira social institucionalizada. Estranho.

Pior ocorre com os grandalhões de até dezessete anos e onze meses de idade, que perante a legislação penal são criancinhas inocentes que não sabem o que fazem, e portanto são inimputáveis – quando consomem drogas, roubam, agridem, estupram e matam, não raro outros meninos – e têm até o discernimento legalmente reconhecido para votar nas eleições. Disparate.

Especialmente estranhável o caso da referida americana branca que se passava por negra, porque inaugura uma tendência inovadora. Até aqui acontecia muito o contrário, haja vista o cantor Michael Jackson, que fez um sem número de operações plásticas e descoloriu a própria pele, quimicamente, para adquirir feições de branco.

Aliás, pode-se perceber que os negros americanos modernos mantêm os cabelos ultracrespos de seu biótipo natural, quando não preferem raspar a cabeça, enquanto suas mulheres, via de regra, a começar pela Primeira Dama Michelle Obama, estiram os cabelos e fazem penteados idênticos aos das eurodescendentes.

Mas, enfim, quero concluir acrescentando informações científicas relevantes sobre a origem dos autóctones brasileiros, abordados pelo confrade Wilson Ibiapina em seu excelente artigo abaixo, em que trata da aparente descendência oriental dos nossos índios e apresenta uma industriosa teoria livresca segundo a qual chineses componentes de uma esquadra exploratória do Século XVI teriam trazido às Américas e deixado ali a sua genética.

Sem fugir da teoria cada vez mais aceita de que tribos orientais tenham chegado ao continente americano na pré-história atravessando o Estreito de  Bering, seja por ocasião de um glacial que congelou o mar, ou por navegação rudimentar, tenho lido que os recentes estudos de DNA hão encontrado evidências espantosas.

Até recentemente não se sabia muita coisa sobre o povo que habita a Oceania, o último continente a ser ocupado e colonizado pelo expansionismo europeu, na época dos descobrimentos.

Designados simplesmente como “aborígenes australianos”, os habitantes insulados daquela ilha continental têm cabelos ulótricos, que funcionam como isolante térmico, narizes largos, para esfriar o ar aspirado, e pele escura, para proteger da insolação, características semelhantes às dos povos africanos.

Pois ossos antiquíssimos encontrados na América e no território da atual China apresentaram simetria genética com os aborígenes da Austrália, o que leva à conclusão de que eles foram hegemônicos no passado. Tanto na China quanto nas Américas eles teriam sido atacados e exterminados por mongóis em tempos pré-históricos, o que teria dado origem à etnia chinesa e às populações bugres americanas. Por sinal, sabe-se hoje que a Muralha da China foi erguida na antiguidade para evitar novas invasões violentas da etnia de Genghis Khan, com seus exércitos equestres, contra as populações pacificadas.  

Essa teoria é reforçada pelo fato de que os mongóis, historicamente, foram povos muito andejos e guerreiros, crudelíssimos com os seus adversários, enquanto os aborígenes australianos são inteiramente pacíficos, infensos à cultura da beligerância, tão inofensivos quanto os cangurus e os coalas. Remanesceram na Oceania porque ali os mongóis não os alcançaram.


*Reginaldo Vasconcelos
Advogado e Jornalista
Titular da Cadeira de nº 20 da ACLJ


Nenhum comentário:

Postar um comentário