DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

quarta-feira, 4 de julho de 2018

CRÔNICA - Muito Obrigado, Neymar (HE)


MUITO OBRIGADO, NEYMAR
Humberto Ellery*




Recebi um vídeo de um amigo que mostra o comentarista esportivo Milton Neves proferindo uma ácida crítica ao Neymar. De uma maneira absurdamente agressiva o comentarista se dirige ao craque com palavras duras, grosseiras, para demonstrar sua insatisfação com o fato do Neymar cair muito em campo sempre que é atingido pelos adversários.

Não eram críticas à qualidade do jogo desempenhado pelo jovem atleta, mas ao fato de ser um “cai-cai”. Comentários à margem afirmavam que eram palavras que grande parte dos brasileiros gostariam de dirigir ao Neymar, irritados com suas quedas. Se é inveja ou despeito, não sei, mas lembrei uma frase do Tom Jobim, que afirmava: “No Brasil, o sucesso é uma ofensa pessoal”.


A onda de críticas está tão forte que eu também me sinto na obrigação de dirigir algumas palavras ao Neymar. Aliás, apenas duas palavras: MUITO OBRIGADO, Neymar!

Muito obrigado pela alegria que sinto ao assistir ao maravilhoso ballet que você desfila em campo, com a bola submissa aos seus pés, um ballet leve, solto, de uma beleza plástica que mereceria um fundo musical de Tchaikowski.

Muito obrigado pelo toque sutil levando a bola para o fundo das redes adversárias.

Muito obrigado pelos dribles rápidos, desconcertantes, imprevisíveis, que deixam os adversários com a bunda no chão.

Muito obrigado pelo meu grito de gol, que de tão forte e emocionado assustou minha neta, que caiu em prantos. Quando ela crescer vou mostrar-lhe o vídeo do gol para que ela entenda e me perdoe. Tenho certeza de que ela vai desculpar-me e repetir comigo: Muito obrigado, Neymar.

Muito obrigado por cair no chão sempre que é agredido pelos brutamontes do futebol, quando a vontade é levantar e reagir furiosamente contra os agressores.

Muito obrigado por não perder a cabeça, como fez o grande Zidane, literalmente, atingindo com a cabeça o peito do Materazzi. Perdeu a cabeça, a compostura e o respeito por tão estúpida reação, vinda de um craque do seu porte.

Sempre que um brutamontes chegar batendo, caia, grite, estrebuche, mesmo que os juízes e torcedores não acreditem que doeu – tanto faz, o importante é irritá-los. Isso é catimba, é melhor que xingar a mãe, como o Materazzi fez com o Zidane, e ganhou aquela cabeçada.

Quando os adversários chegarem aos coices, não reaja aos coices, pois futebol é jogo de homens, coices são esporte de equinos. A força física é a nobreza dos animais de carga. Futebol é arte, futebol é paixão, futebol é leveza, animais não sabem o que é isso.

Só um pequeno reparo, Neymar, não faça sinais para a torcida adversária calar a boca, não condiz com os grandes vencedores tripudiar sobre os vencidos. Apenas vença, e comemore com a SUA torcida, que é muito mais elegante.

E, antes que eu esqueça: Obrigado, Muito Obrigado, Neymar!






COMENTÁRIOS

Eu também andava aborrecido com as críticas dirigidas ao craque Neymar, que têm se multiplicado nas redes sociais. Não sabia que os comentaristas das grandes empresas de comunicação faziam o mesmo, porque não acompanho futebol.

Meu desinteresse pelo futebol é tanto que até os jogos da nossa seleção, mesmo durante a copa, eu acompanho enquanto faço minhas leituras, tirando o olho das páginas que estou lendo, quando o locutor começa a anunciar uma jogada perigosa.

Foi assim que vi um pouco do bailado que Ellery descreveu tão bem, feito pelo “cai-cai”. Eu não saberia dar resposta aos críticos com a verve e a beleza dos textos que ele produz, mas pensava exatamente segundo a linha de raciocínio que ele expressou com a maestria de sempre. 

É a minha vez de dizer: obrigado Ellery, pelo bailado verbal, que certamente expressa o sentimento de muitos brasileiros, fazendo-o com tanta beleza e graça.

Rui Martinho Rodrigues


.................................................................................



Em relação ao futebol, não sou ilustrado na matéria. Joguei peladas na infância, nas largas calçadas da Av. Dom Manuel, e nas areias da antiga Praia dos Diários, mas sem grande devoção. 

Ao estádio devo ter ido umas duas vezes tão-somente, em ambos os casos induzido por alguém. Mas me dediquei a outros esportes, que embora não se pratiquem com bola, têm fundamentos atléticos semelhantes.

Para mim, além da natural lepidez do corpo enxuto e da grande habilidade com a pelota, dotes que facilitam o malabarismo dos dribles, a grande virtude do Neymar, como jogador, é psicológica. 

Mas o recente trauma no tornozelo e o longo tratamento parece terem aberto uma janela momentânea na sua autoconfiança. Ele perdeu os poderes", acionava a tecla mágica e não lhe vinha o slow motion da jogada. Isso o fez render menos nos primeiros jogos da Copa, e chorar ao final de uma partida. 

Porém, normalmente, Neymar consegue se manter sereno, imune à pressão da torcida e ao peso da camisa. E, principalmente, ele se mostra intimorato em relação à zaga mais ameaçadora e vigorosa  como, passado o transe, ele voltou a demonstrar.

O magrelo é positivamente irresponsável e saudavelmente moleque. Não se aperreia, não se avexa, não se afoba  para quem prefira a linguagem carioca. Porta-se durante o jogo com a mesma despretensão com que brinca com os colegas nos treinos, e com o filho, em sua casa.   

Correm contra ele dois ou três zagueiros gigantes, nervosos, siscando, sapateando, e o Neymar se mantém frio, não perde a fleugma, entra em modo de câmara-lenta mental, para enxergar pernas abertas por onde fazer passar a bola, ou para fintar que vai para um lado, e ir para o outro.

Ele não tem a velocidade dos grandes, nem a potência dos fortes, mas tem a malícia e a agilidades dos espertos. E, naturalmente muito caçado em campo, ele precisa valorizar” as agressões sofridas, para chamar a atenção da arbitragem.



Acontece que ele ficou meio viciado em fazer cena, em tempos de vigilância eletrônica, o que termina por fazer darem na vista os exageros. E isso tem o efeito negativo registrado na célebre fábula Pedro e o Lobo”. 

Na fábula, o pequeno pastor vivia pedindo socorro falsamente, para fazer gozação com os que acorriam em seu auxílio  até que um dia um lobo o atacou de fato, e ele morreu, porque ninguém acreditou nos seus apelos. 

Talvez por isso o árbitro não tenha levando em conta o efeito dramático que ele deu ao pisão maldoso com que Miguel Layún o atingiu. De todo modo, concordo que essa sofrida Nação lhe deva agradecer as alegrias.

Reginaldo Vasconcelos  
  



Nenhum comentário:

Postar um comentário