DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

sábado, 28 de julho de 2018

ARTIGO - A Volta Dos Que Não Foram (RV)


A VOLTA DOS 
QUE NÃO FORAM
Reginaldo Vasconcelos*



Brasil já vai à guerra / comprou um porta aviões / um viva pra Inglaterra / de oitenta e dois bilhões / mas que ladrões! (Juca Chaves)



Em 1960, o Governo Kubitschek resolveu adquirir, pelo equivalente a nove milhões de dólares, o porta-aviões inglês Vengeanse, construído para a 2ª Grande Guerra, que entre nós recebeu o pomposo nome de Navio-Aeródromo Ligeiro (NAeL) Minas Gerais (A-11). 


Cinquenta anos depois o Minas Gerais, que custou caro e não teria nenhuma utilidade prática no Brasil de então, considerado um país subdesenvolvido e não beligerante, que já se endividara bastante para construir Brasília, foi vendido para ser depeçado nas sucatas náuticas da Índia.

A estrofe da modinha “Brasil Já Vai à Guerra”, citada à epígrafe, do irônico compositor Juca Chaves, gravada naquela época, merece agora a paráfrase abaixo:

Brasil já vai às urnas, pagamos a eleição, um viva pro Congresso de quase dois bilhões, mas que ladrões”.

Sim, somos uma democracia. Vamos “escolher” os menos piores, entre os “cândidos” concorrentes que nos serão impostos pelos partidos políticos brasileiros, os quais, como todos nós sabemos, em sua grande maioria não passam de feudos políticos, de grupos de interesses, alguns até considerados “organizações criminosas”.

Para tanto, o Parlamento Brasileiro aprovou uma verba vultosa (nada menos que 1,7 bilhão de reais), grande parte dela vinda dos tributos arrancados do suor dos brasileiros, para custear as mentiras eleitorais dos candidatos que pretendem se reeleger aos mesmos cargos, ou a cargos maiores.

Bastaria ao eleitor que fossem divulgadas amplamente a vida pregressa, as credenciais sociopolíticas, e as bandeiras administrativas defendidas por cada candidato, bem como impor debates entre os pretendentes a cargos majoritários, sem a mínima necessidade de se promover um derramamento de verbas públicas em comícios e em propaganda eleitoral, que somente servem para encantar e iludir o eleitorado.  

Querem permanecer no Legislativo e no Executivo, onde possam manter gordos proventos, dezenas de assessores e demais mordomias, quando são os mesmos que não demonstraram a minha competência político-administrativa para conduzir de forma honesta e eficiente os destinos da Nação – bem como dos Estados, as Unidades da Federação que a compõem. Os que foram, e que não mereceram ter ido, querem voltar com caras novas.  

Muito poucos deles têm verdadeiro espírito público, quase todos destituídos de patriotismo, uma parte composta de ideólogos desvairados, tentando vender um onírico céu de bonanças sociais em troca do poder absoluto, a outra parte de notórios fisiológicos, que só almejam o seu enriquecimento próprio, locupletando-se contra o erário.

Eu, de minha parte, não vislumbro no horizonte eleitoral os candidatos ideais, pessoas equilibradas e maduras, de passado ilibado, estadistas dignos e intelectualmente preparados para as mais elevadas funções estatais.


Todavia, sem dar atenção às mentiras da propaganda obrigatória, muito menos às fake news da Internet, vou fazer um acurado exercício de escrutínio mental para distinguir aqueles que pelo menos demonstrem as melhores intenções e ostentem inquestionável probidade, que jamais se tenham envolvido com governos corruptos e desastrados, e que prometam pulso forte contra a crise ética que temos vivido, bem como respeito à liturgia de seus cargos, visando garantir a paz social e restaurar a autoridade e a moral públicas nacionais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário