HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quarta-feira, 8 de maio de 2019

CRÔNICA - Álgebra (TL)


ÁLGEBRA
Totonho Laprovitera*




Depois que o Jozias mudou de endereço, Valdim passou a frequentar o restaurante com menor assiduidade. Era sábado cedo, e Valdim, sabendo que Jozias é madrugador, afinal quem negocia com peixe e marisco tem que ser, foi fazer uma visita ao amigo. 

– Oi, Robertinha, cadê teu pai?

– Oi, Valdim, há quanto tempo!

– Como é que tá a dona Mazé?

– Mamãe? Tá bem... Papaiêêê, o Valdim!

– Já vou, peraí! 

Enquanto caminhava ao encontro de Valder, Jozias dava ordens ao cozinheiro: 

– Camocim, separa aí uns camarões chibateiros.

– O senhor comprou creme de leite pra delícia de peixe?

– Comprei, e Maizena também... Vê se economiza creme de leite que eu não tenho vacaria, não...

– Pode deixar... 

Parou, olhou para o Valdim, levantou o boné e coçando a cabeça falou:

– Mas, olha, quem é vivo sempre aparece...

– Deixa de ser falador, Teixa, que eu sempre venho aqui – falando em baixo tom e cerrando os olhos.

– Aqui, faz é tempo... Você pode até dar essa desculpa em casa pra Glaucinha...

– Para de besteira e pede logo pro teu garçom me servir uma cerveja.

Monsieur, s’il vous plaît, traz uma cerveja aqui pro doutor Valder!

– Já? E isso é hora de se beber?! –  gritou o garçom.

– Pra mim, é agora; pra você, deve ser hora é de dar o rabo, filho da puta!

– Deixa de ser corno, vê se respeita o doutor Valder e traz logo a merda dessa cerveja, seu bosta! Detesto falta de educação e respeito! –  sentenciou Jozias. 

Enquanto o folgado garçom trazia a cerveja, Valdim começou a puxar conversa com o amigo: 

– Conta, Teixa, como é que tá a vida?

– Bem, né?

– E eu sei? Como é que tá o Marquim?

– Tá bem... Quer dizer, eu não posso reclamar de filho nenhum, mas...

– Mas, o quê? Alguma merda?

– Sabe que eu me preocupo desde que ele era pequeno. Ele novinho já me perguntava:

– “Papai, o que é que eu faço pra ser bonito, inteligente e rico quando eu crescer?”

– E tu respondia o que, ignorante?

– Filho, acredite na reencarnação.

– Mas, rapaz, isso é resposta que se dê a um filho?

– Eu não aliso não! Aqui em casa vale a lei do Chico de Brito: “Escreveu não leu, o pau comeu!”

– Mas, e ultimamente, ele tá mais calmo?

– É, se bem que na semana passada eu me afobei e perguntei:

 Meu filho, pelo amor de Deus, como é que você consegue fazer tanta besteira num dia só?!

– E ele?
– “Acordando cedo”...

– Tem jeito não...

– Tem nada, parece até que tem um parafuso solto. Agora, o Ricardo...

– O que é que tem o Intelectual?

– É outro departamento. Vive pra estudar, não quer saber de outra coisa, chega já é exagero. Outro dia, imagina, ele tava agarradinho com um livro e eu perguntei:

 Meu filho, tá estudando o quê? E ele respondeu:

 “Álgebra!” Tai, rapaz, achei bonito! 

– Realmente...

– Ora, qualquer pai fica feliz sabendo que até álgebra o filho tá estudando. Mexe com a vaidade da gente.

– Também, não é pra menos...

– Você calcule, Valdim, que no domingo passado aqui tava chei, chei. Não se achava uma mesa sobrando nem pra remédio. Casa lotada! E eu, orgulhoso, só pra me amostrar, perguntei pra ele, na frente de todo mundo: “Meu filho, como é mesmo que se diz bom dia em álgebra?!”



COMENTÁRIO

Jorge Amado não era menor porque aplicava pornografia em suas obras, na fala de seus personagens...” manda comentar por Zap o confrade Adriano, acompanhando o Blog lá do Maranhão onde se encontra, rebatendo comentário do Prof. Vianney Mesquita sobre o estilo do confrade Laprovitera.

Eu acho ótimo esse tipo de debate no âmbito da Academia, em que se verifica o confronto entre as opiniões dos confrades sobre temas literários, estilísticos, gramaticais, que são livres e soberanas.

Ainda nesta semana eu e o bardo Luciano Maia “batemos luvas”, como se diz no boxe, sobre o título d'O Dialeto Cearense  o nosso ínclito Presidente Emérito Rui Martinho Rodrigues apoiando a tese dele, a Vólia botando lenha na fogueira, e tudo terminou convergindo para a revelação de um banal mal-entendido, pois já na Apresentação da obra a tese do nosso Da Maia está devidamente respaldada: não há dialetos no Brasil.

Aqui da curul da Presidência eu adoto a política do Capitão Bolsonaro, reconhecendo a cada um o direito de pensar e de dizer o que pensa, e de rebater as invectivas, sem que isso recrudesça para o campo dos ressentimentos pessoais – ou aplicarei a política de meus velhos pais, que obrigavam os filhos pequenos a se abraçarem, após um conflito por eles mediado.

Somos livres pensadores, e somos democratas. O Mestre Vianney tem uma estética mais rigorosa em relação ao uso da linguagem, como zeloso guardião da “última flor do Lácio”, enquanto o jovial Laprovitera prefere um estilo livre e alegre, homenageando a cultura popular, porém mantendo total domínio e controle da gramática. É o nosso Millor Fernandes, para nossa honra e júbilo.

Reginaldo Vasconcelos


7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Dr. Vianei, a pornografia está na sua equivocada interpretação de um diálogo coloquial e realista, fruto de uma dita erudição que nega a cultura popular.
    Dispenso a sua crítica.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. "Jorge Amado não era menor porque aplicava pornografia em suas obras, na fala de seus personagens..." manda comentar por Zap o confrade Adriano, acompanhando o Blog lá do Maranhão onde se encontra. Eu acho ótimo esse tipo de debate no âmbito da Academia, em que se verifica o confronto entre as opiniões dos confrades, que são livres e soberanas. Ainda nesta semana eu e o bardo Luciano Maia "batemos luvas", como se diz no boxe, sobre o título d'O Dialeto Cearense, o nosso ínclito Presidente Emérito apoiando a tese dele, a Vólia botando lenha na fogueira, e tudo terminou convergindo para a revelação de um banal mal-entendido, pois já na Apresentação da obra a tese do nosso Da Maia está devidamente respaldada: não há dialetos no Brasil. Aqui da curul da Presidência eu adoto a política do Capitão Bolsonaro, reconhecendo a cada um o direito de pensar e de dizer o que pensa, e de rebater as invectivas, sem que isso recrudesça para o campo dos ressentimentos pessoais. Somos livres pensadores, e somos democratas. O Mestre Vianney tem uma estética mais rigorosa em relação ao uso da linguagem, como zeloso guardião da "última flor do Lácio", enquanto o jovial Laprovitera prefere um estilo livre e alegre, homenageando a cultura popular, porém mantendo total domínio e controle da gramática. É o nosso Millor Fernandes, para nossa honra e júbilo.

    ResponderExcluir
  6. Bem dito, presidente.
    Suas palavras me incentivam a ser melhor.
    Grato.

    ResponderExcluir