HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


terça-feira, 21 de maio de 2019

CRÔNICA - Heróis do Ceará (WI)

heróis do Ceará
Wilson Ibiapina*


O cartunista cearense Hermínio Castelo Branco, o Mino, como ele assina suas histórias, é o criador do primeiro super-herói cearense de revista em quadrinhos. É o Capitão Rapadura, “O herói que tudo atura”.  

Trata-se de um humilde cearense, com aspecto de camponês, que usa um chapéu de couro igual ao que o sanfoneiro Dominguinhos carregava na cabeça. Sua fonte de energia é a rapadura, feita de cana-de-açúcar.

Basta uma lambida num pedaço de rapadura que aquele cearense se transforma num super-herói.  Brincadeira à parte, o Ceará tem heróis de verdade e seus nomes estão no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. O último a ser incluído no livro, por iniciativa da deputada Luizianne Lins, é Antônio Vicente Mendes Maciel.

O famoso Antônio Conselheiro, filho de Quixeramobim, conterrâneo de Fausto Nilo, teve seu nome  aprovado pelo plenário do Senado como símbolo da liderança social na comunidade de Canudos, que ele implantou no interior da Bahia.

Conselheiro incomodou os republicanos da época e foi morto dias antes do fim da guerra dos Canudos, em 5 de outubro de 1897. Virou tema do livro “Guerra do Fim do Mundo,  do escritor peruano Mário Vargas Llosa. A história dele está, também, no livro Os Sertões, que Euclides da Cunha escreveu em 1902.

Outros cearenses estão com seus nomes no livro dos heróis: Dom Helder Câmara, que o jornalista pernambucano Nelson Rodrigues chamava de “padre de passeata”, por sua participação em movimentos de rua em favor do povo. Estão lá, também, Miguel Arraes, que governou Pernambuco; o português Martim Soares Moreno, considerado o fundador do Ceará, imortalizado no romance de José de Alencar como o guerreiro branco que casou com Iracema. Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde, aparece no livro como líder abolicionista, que entrou para a História como Dragão do Mar.

Duas mulheres estão com seus nomes no livro: Antônia Alves Feitosa, que ficou conhecida pelo apelido de Jovita. Foi a primeira mulher a entrar no Exército. Em 1865 ela se engajou como Voluntária da Pátria, atendendo à campanha de recrutamento para ir lutar na Guerra do Paraguai.

A outra é Bárbara Pereira de Alencar. Ela nasceu no município pernambucano de Exu, mas foi criança para o Crato. Na revolução pernambucana de 1817, Bárbara de Alencar foi presa e torturada numa das celas da Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção, em Fortaleza. É considerada a primeira prisioneira política da História do Brasil.
 
A heroína republicana era mãe dos também revolucionários José Martiniano Pereira de Alencar e Tristão Gonçalves, e avó do escritor José de Alencar.

Brasileiros de outros estados estão também no chamado livro de aço. Ele pode ser consultado no Panteão da Pátria, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.





COMENTÁRIO

Sem querer polemizar, e com o intuito único de restabelecer a verdade, gostaria de esclarecer que Antonio Conselheiro não foi morto dias antes do fim da guerra dos Canudos. Na realidade, Conselheiro morreu de uma prosaica infecção intestinal. Como está escrito dá a impressão de que ele tombou em combate. Doutra parte, comumente o episódio é chamado de “Guerra de Canudos”. Como está dito, passa a ideia de que o combate era devido à disputa de “canudos”... Canudos era o nome do local.

Antônio Mourão Cavalcante



Nenhum comentário:

Postar um comentário