HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


sábado, 11 de maio de 2019

CRÔNICA - Bronco (TL)

BRONCO
Totonho Laprovitera*


Filho da Calunga, cadela de um dos nossos vizinhos, e de pai desconhecido, Bronco foi um cachorro que marcou época em nossa casa. Ele era da minha irmã Fefé e, ainda pequenino, granjeou a afeição de todos nós.

No final dos anos 60, em nosso endereço da Rua Tibúrcio Cavalcante, o juvenil galã Bronco, de porte médio, pelo longo e branco, com manchas pretas, tornou-se um belo animal. E não demorou muito para começar a aprontar suas memoráveis cachorradas. No sítio da Parangaba, iniciando-se na arte de namorar, prática para a qual demonstrava graúda vocação, enfronhou-se com a esquálida Tuninha, escolada cachorra dos moradores.

No início da década de 70, quando nos mudamos para a Avenida Desembargador Moreira, o precoce Bronco já era o cão de danado. Passado na casca do alho, sem dar a menor pista para onde fosse, aventurando-se, sumia por uma semana. Quando voltava, cabisbaixo, trazia na boca uma folha que comumente deixava no colo da minha mãe, em gesto de pedir perdão. Era um verdadeiro cavalheiro.

Muitas vezes, porém, chegava da farra todo lascado, trazendo doridas feridas de quem havia brigado feio na rua. Certamente, em peleja por alguma disputada cadela.

Assim era o romântico Bronco. Em casa, quieto e bem-humorado. Um santo. Na rua, um inveterado Dom Juan à caça de suas conquistas amorosas.

Um dia, porém, Bronco saiu pra rua e nunca mais voltou. Ninguém ficou sabendo se foi apanhado pela carrocinha, atropelado ou, sei lá... O certo é que sumiu do mapa, sem deixar o menor rastro.

Vai ver que, arrebatadamente, ele se mandou para o estrangeiro com alguma gringa canídea.




Nenhum comentário:

Postar um comentário