HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

REUNIÃO NA TENDA ÁRABE - MOMENTO LITERÁRIO (15.01.19)

REUNIÃO 
NA 
 TENDA ÁRABE
E MOMENTO LITERÁRIO
DA EMBAIXADA


Na noite da última terça-feira (15.01.19), reuniram-se na Tenda Árabe os acadêmicos Arnaldo Santos, Altino Farias, Rui Martinho Rodrigues, Reginaldo Vasconcelos, Luiz Rego, Adriano Vasconcelos, Vicente Alencar, Dorian Sampaio, Paulo Ximenes e Humberto Ellery.  

A experiência gastronômica desta vez foi um consommé de pomme de terre et moelle de vache, especialidade do repertório culinário da família Vasconcelos. 

Seguiu-se à reunião a sessão de leitura de poesia e de prosa poética, o “Momento Literário da Embaixada da Cachaça”. 

Esta prática artística e performática, internacionalmente designada como poetry slam,  nasceu em Chicago, na Green Mill Tavern, em meados dos anos 80, por inciativa do escritor Marc Kelly Smith, disseminando-se por todo o país e depois pela Europa, e por outras partes do mundo. A palavra inglesa slam refere a poesia produzida para ser lida em público.

Roberto Paiva, cliente da casa, sempre presente entre os leitores, abriu a sessão de leituras com uma bela prosa poética sobre seu pai, falecido recentemente aos 94 anos.

Seguiram-se os oradores Altino Farias, Paulo Ximenes e Humberto Ellery, que leu uma carta à sua filha e um belo soneto que escreveu. Romeu Duarte disse uma sequencia de pequenos poemas de diversos autores, impressos em cartas de baralho, ideia interessante e criativa do poeta Carlos Augusto Viana, Diretor de Arte e Cultura do Ideal Clube de Fortaleza. 

Reginaldo Vasconcelos disse uma crônica burlesca do confrade Marcos Maia Gurgel ("Com o Exército Não Dói"), e Vicente Alencar leu dois poemas de seus. Ao final houve a participação de um cliente da Embaixada, Wagner, que leu poema de sua lavra. O poeta Luciano Maia justificou a sua falta, e garantiu presença na próxima terça-feira. 



















Nenhum comentário:

Postar um comentário