DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

domingo, 16 de setembro de 2018

ARTIGO - Propaganda Política, Um Teatro de horrores


PROPAGANDA POLÍTICA
UM TEATRO DE HORRORES
Reginaldo Vasconcelos*


A aberrante situação sociopolítica do Brasil neste momento evoca aquela alegoria anedótica do sapo em relação à panela d’água. Estando a água quente, o batráquio que caia por acaso na panela pulará para fora incontinenti.

O súbito contraste entre a amena temperatura ambiente e o insalubre calor da água fará o bicho perceber de pronto a tragédia que aquele líquido representa, e reagir rapidamente para tirar dali o seu organismo.

Mas se o sapo cai ali na panela em água ainda fria e confortável, ele quedará, e ainda que o fogo seja aceso e vá esquentando lentamente o meio aquoso, aquele cururu irá se aclimatando, e irá tendo a ilusão de que tudo está normal.

O sapo do exemplo vai se acostumando com a própria desgraça, até que não tenha mais forças para procurar a salvação, e cozinhe vivo – pois as bordas do recipiente que ele precisaria escalar já terão um queimor insuportável.

O povo brasileiro está cozinhando em água fervente, porque foi se habituando a dizer amém ao fogo do crime, que veio esquentando perigosamente entre os políticos e os bandidos, a tal ponto de se confundirem (e se ajudarem) estes e aqueles. Estes com votos de cabresto, aqueles com leis e Judiciário lenientes.

Não há mais uma clara distinção, uma fronteira bem definida entre as ditas “organizações criminosas” armadas e as de colarinho branco – tráfico de drogas e de influência, dinheiro sujo de sangue, de cocaína, de propina – tanto faz.

Diante desse quadro, o teatro de horrores se escancara agora na propaganda eleitoral, fervendo de mentiras, de falsidades, de mistificações, de promessas vãs, cada um com a mais nítida intenção de iludir o eleitor mais uma vez – com direito até a um sangrento atentado.

Na verdade, a água da panela nacional é escaldante, as contas públicas descontroladas, a crise financeira se agudizando, a economia em banho-maria, as facções dominando, de tal sorte que ninguém que seja eleito agora terá o condão de transformar imediatamente o sapo sapecado em príncipe belo.

Sendo assim, o máximo que se pode esperar para o próximo ano é uma liderança política que consiga apagar o fogo dos maus costumes e dos vícios arraigados, e que vá colocando água fria na fervura através de leis e de práticas administrativas honestas, realistas e eficazes.

“Sangue, suor e lágrimas”, em paráfrase a Churchill, é tudo que um candidato honesto pode prometer ao eleitor atualmente, caso eleito. Os desonestos precisariam desvestir o casaco de mágico, a capa de herói, e guardar a baladeira desleal com que tentam cegar os concorrentes. 

Que o eleitor, pelo bem do Brasil, retire o roto véu com que cada candidato busca esconder as suas verdadeiras ambições, as suas limitações reais, os seus fracassos públicos, o seu passado sujo que a lava-jato desvendou.



Nenhum comentário:

Postar um comentário