terça-feira, 27 de outubro de 2015

APRECIAÇÃO LITERÁRIA - Em Cima do Viaduto


EM CIMA DO VIADUTO,
de Cleto de Castro
Vianney Mesquita*

Não existe romance mais lindo do que aquele que vive no silêncio da nossa alma e escrito nas páginas da saudade. (ANTÓNIO POUSADA, escritor e padeiro português. YParadela de Guiães, 1903 - São Paulo, 1973).

Dos gêneros mediante os quais o artista nutre e propaga seu estro, no âmbito da Literatura, o romance é um dos mais apreciados. Tal sucede, certamente, porque, em se cuidando de narração mais ou menos longa, nele são traçados fatos imaginários, às vezes incitados por ventos verdadeiros, cujo fulcro se pode encontrar no relato de aventuras, no exame de costumes ou tipos psicológicos, na análise social ou em quaisquer pretextos relevantes, ao ponto de se estabelecer uma peça interessante, que conquiste a simpatia e o interesse do leitor.

Vários – e indispensáveis – são os requisitos para um bom romance restar caracterizado, o mais relevante dos quais desfecha na originalidade. Este escrevinhador, v.g., a despeito de haver publicado alguns trabalhos, no campo do ensaio, na seara da crítica e na senda da prática religiosa católico-romana, jamais venceu o temor de trazer à luz editorial uma composição gradeada pela casta literária de narração romanesca. Isto, sempre, porque se achava parecido, nalguns pontos da trama e do estilo, com romancistas que havia lido.

Talvez haja ocorrido essa circunstância em virtude de pruridos de perfeição, os quais constantemente tocaram sua exigente recepção de mensagens artísticas, mormente no que respeita ao estado de originalidade, condição literária que privilegiou para, de leve, proceder, neste passo, a breves comentários sobre esta e o restante da produção desse político, vereador na Cidade-Pátria (Palmácia-CE) do subscritor desta comentação (Cleto de Castro é de Redenção-CE).

Não em raras ocasiões, este autor se divisava perdoado da quiçá inocente parecença dos seus originais romanescos com os de outrem, lembrando-se, até, da identidade estilística de Eça de Queirós, no O Crime do Padre Amaro, Emílio Zola, em Faute de l”Abbe Mouret; senão também da comparação que costumava proceder, mostrando certa similitude nas produções de A.J. Cronin, por exemplo, na A Cidadela, os estilos, as personagens e motivos de Sir Arthur Conan Doyle, por exemplo, n’As Aventuras de Sherlock Holmes; e as irmãs Brontë – Anne, Charlotte e Emily – com pseudônimo dos Bells, Currer, Ellys e Acton; e, por fim, ao confrontar Camões com Vergílio e Homero, Oliveira Paiva com Aluisio de Azevedo ... e tantas outras colações empreendidas, até com certa razão ao fazê-las, fim de inocentar-se, não de plágio, mas de contrafeições elocutórias em que poderia incorrer sob influência de suas leituras.

Ex expositis, conforme anunciado há pouco, são deixadas à parte, intencionalmente, neste comentário as diversas exigências da escrita literária, tantas de que a Teoria da Literatura faz divisão, com vistas a distinguir a originalidade. É, pois, a circunstância mais ressaltada nesta obra cabalmente singular, absolutamente original, do novel escritor, não só ainda feito promessa como tal, porém efetividade tangível, que é o Sr. Cleto de Castro.

Sobra bem manifesto aqui, ao exigir a instância de novidade para comentar, o fato de que no romance Em Cima do Viaduto, maiormente, porém, na A Grande Viagem – texto que acicatou o gosto deste cronista mais do que o seu produto ora referido – configuram-se, em ambas, os requisitos da boa literatura, de sorte que, privilegiando, neste lance, o aspecto de singularidade criadora, não significa exprimir que o autor preteriu os demais, pelo contrário, os valorizou ao extremo, porquanto bem calçado, incólume e intactamente, do pressuposto da raridade componente da trama, das personagens, literatura e elocução.

Não esperem, agora, os leitores seja aqui narrado o argumento desse interessante, inteligente, chocante trabalho de Cleto de Castro, pois é vedado retirar do consulente a oportunidade de descobrir a novidade, subtrair-lhe l’apéritif composicional do Escritor, vitorioso no seu tentâmen beletrista, fagueiro no batizado do seu novo livro, cerimonial de passagem de seu outro rebento, ávido por quem lhe deslinde as urdiduras, sedento daquele que compreenda as peripécias dos seus protagonistas e lobrigue nas entrelinhas os papéis de seus figurantes menores.

Ao fazer a leitura, o consultante  quem sabe – depare o inesperado? Afinal de contas, os romancistas existem para nos dizerem algo sobre os romancistas – evoca-nos Lord Chesterton. Podem ter a convicção de que os bons terminam bem, ao contrário dos maus – eis o que são os romances – na sentença de Oscar Wilde.

É possível adiantar a ideia de que, na qualidade de leitor impertinente, a quem não é todo escrito que satisfaz, este comentarista se regozijou com o exame dos dois  romances, revisados do começo ao cabo, impressionando-se com suas meadas perspicazes, teceduras consentâneas e conducentes a um fim.

De tal modo, não é este Em Cima do Viaduto, como o anterior, também, mero capricho de um estreante pressuroso para roubar a cena, afanoso pelo prestígio público mediante uma produção medíocre, literatice de zoilos, “artistas” deserdados das insinuações da anima, falto da prontidão e destituído das emanações da arte.

Exatamente ao reverso desses maus predicados, encontra-se Cleto de Castro, ao se deixar primeiro maturar, rolando nos desvãos da vida, ao ralar no padecer do estudo, afanando-se, primeiro, na dureza do trabalho, a fim de ajuntar razões e escapos, experiência e vigor para, só depois, debutar, maduro e pronto, na seara literária, como tão bem o fez com A Grande Viagem.

Cleto de Castro é escritor fecundo e produz rápido, prometendo ser, sob este aspecto, parecido com os literariamente rendosos, de obras múltiples, os cearenses Dimas Macedo (Lavras da Mangabeira) e Nilto Maciel (Baturité), pois conduz equipagem suficiente e haverá de trazer mais, pois, como na adonisada medida do poeta Antônio Frederico de Castro Alves, Bendito é quem semeia livros à mancheia. E manda o povo pensar!


Um comentário: