HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


segunda-feira, 18 de março de 2019

PRIMEIRO POST DO BLOG - 12.06.2011 (RV)


Notas Acadêmicas
Reginaldo Vasconcelos*



O Ministério da Educação do atual Governo anda tentando desestimular o aprendizado e o uso correto da língua vernácula, como se o idioma não fosse uma ciência que se vem estruturando ao longo dos séculos, que demandou estudos, que tem regras importantes para a sua plena eficácia.

Quem fale o tupi, por exemplo, consegue se comunicar de forma rústica com o indígena que conheça esse idioma. Mas notará dificuldade de expressar sentimentos mais delicados, de transmitir pensamentos mais elaborados, de precisar números e quantidades, de identificar elementos, de dizer com perfeita exatidão aquilo que pretenda ou precise.

Em português, ao contrário, em virtude da riqueza vocabular da língua, da sua vasta sinonímia, das suas regras gramaticais precisas, pode-se fazer com grande propriedade um tratado científico, assim como produzir poesias sobre os mais íntimos sentimentos, e também redigir um contrato de negócio com clareza absoluta, sem dar margem a erros e a interpretações equivocadas.

Destarte, os que não querem estudar e aplicar corretamente a língua, aplicando a “lei do menor esforço”, de qualquer modo terminarão discriminados pelos que investiram tempo e interesse para conhecer e aplicar com propriedade, entre os compatriotas, a ciência da comunicação.


CONCORDÂNCIA DO VERBO HAVER

Existem deslizes típicos de quem não conhece as características do verbo haver. Quando se diz “há muitas pessoas na sala”, conjuga-se o verbo haver na terceira pessoa do singular do presente do indicativo.

Note que não foi feita a concordância do verbo haver com a palavra “pessoas’. Não se poderia dizer “hão pessoas”. O verbo haver, quando usado com o sentido de existir, fica no singular. Se fosse usado o verbo existir, este sim iria para o plural: “Existem muitas pessoas na sala”.

A confusão tende a aumentar quando o verbo haver é usado no passado ou no futuro. Em certo trecho, a versão feita pelo conjunto “Os incríveis” da canção “Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones”, diz: “... Não era belo mas, mesmo assim, havia mil garotas a fim...”. Nesta canção o verbo haver foi empregado com o sentido de existir. Logo, está correta a versão, o verbo no passado e no singular.

No Brasil, fala-se “cabe dez”, “sobrou 30”, “falta 30”. Geralmente não se faz concordância. Mas, quando não é necessário fazer, erra-se. “Houveram muitos acidentes naquela rodovia”. Errado.

O correto é “houve muitos acidentes naquela rodovia”. Haverá acidentes, houve acidentes, há pessoas, havia pessoas, houve pessoas.

Vale repetir: “O verbo haver quando empregado com o sentido de existir, ocorrer, acontecer, fica no singular, independentemente do tempo verbal.


CONCORDÂNCIA DO VERBO FAZER

O verbo fazer indicando tempo não tem sujeito. Pode-se e deve-se dizer: “passaram dez anos”. De fato, os anos passam. Mas, nunca dizer “fazem dez anos”.

O mesmo acontece na locução verbal quando o verbo fazer é associado a outro na indicação de tempo: “Já deve fazer vinte anos que ela foi embora”.

Nunca dizer: “Já devem fazer vinte anos...”. Nesses casos o verbo fazer vem sempre no singular. Outro caso é levantado: “Quando conheci sua prima, eu morava lá há dez anos” ou “... morava lá havia dez anos”. A dica é muito simples. Usando o verbo fazer a forma correta de falar é “...morava lá fazia dez anos”. Logo, “... eu morava lá havia dez anos”.

Neste caso, o verbo haver equivale a fazer, indica tempo. Os tempos verbais também devem se casar: se eu morava..., morava fazia..., morava havia... É assim que exige o padrão formal da língua.


VERBO VER NO FUTURO DO SUBJUNTIVO

A maioria das pessoas da classe medianamente culta certamente não sabe mais definir o que seja o “futuro do subjuntivo”. Não é importante. Mas é importantíssimo saber empregar corretamente esse tempo verbal, no caso do verbo ver, principalmente quando falando em público, pois quem escreve para publicar tem sempre a possibilidade conveniente de submeter o texto a um revisor. Hoje, o próprio computador pode fazer a correção.

Mas em discursos orais, frequentemente nos surpreendemos com o emprego errado desse verbo, nesse tempo verbal, até por quem tem curso superior: “Sempre que eu ver você fumando”, ou então “Quando você me ver apressado”. Erro grave.

Deve-se dizer: “Sempre que eu vir você fumando”, e “quando você me vir apressado”.


GÊNERO DA PALAVRA GRAMA

Por influência da última letra da palavra, a vogal “a”, que, em regra, em português, indica as palavras femininas, o vulgo costuma entender que seja “a grama”, quando na verdade o vocábulo é masculino.

Assim como as demais palavras que indicam unidade de massa – o tetragrama, o metagrama, o quilograma (o quilo) o hectograma – deve-se colocar a palavra grama entre os que podem usar barbas. Deve-se então dizer sempre “duzentos gramas de farinha”.

Esse tipo de falha na linguagem, aparentemente banal, obviamente não impede a compreensão da mensagem que se quer transmitir. Todavia, indica que o falante em questão não teve oportunidade, ou não teve ânimo, de estudar o idioma português com a necessária atenção, desde a escola, e, portanto, se afeiçoou ao modo de falar coloquial.

Ou, pior ainda, indica que, depois da escola, a pessoa não adquiriu o hábito salutar de se entregar a boas leituras, e não é na rua, mas nos livros que os homens enriquecem o pensamento. Os concursos públicos estão aí, cada vez mais exigentes, procurando selecionar os que têm condições técnico-científicas de contribuir com humanidade, e discriminando aqueles que somente aprenderam o que o senso comum pode ensinar.




comentários:

Distinto Confrade, registro satisfação ao constatar a ruptura da barreira da informática com seu primeiro post. Que venham muitos mais e que vossa inteligência contamine o blog e as mentes.

Alfredo Marques



Excelente e oportuna a contribuição do acadêmico Reginaldo Vasconcelos quanto a utilização correta dos vários verbos por ele referidos, pois nos ajuda a continuar a luta pela preservação e utilização da língua culta, algo que até o Ministério da Educação parece ter abandonado a julgar pela distribuição de uma cartilha que circulou recentemente. Parabéns ao Reginaldo, bem como ACLJ, pelo blog através do qual podemos discutir o emprego correto da nossa língua. Afinal, um país culto se constrói com homens e mulheres que busquem falar e escrever corretamente para preservação do seu maior património, que e a língua.

Arnaldo Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário