HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


segunda-feira, 18 de março de 2019

ARTIGO - O Que É Pós-Verdade? Verdades e Dúvidas (JSN)


O QUE É PÓS-VERDADE?
VERDADES E DÚVIDAS
João Soares Neto*


Voltamos a reexaminar o discorrido na sexta passada. Somos ou não verdadeiros? Por qual razão a Oxford University, escolheu “post-truth” como a palavra do ano de 2016? Terá sido por conta da saída da Inglaterra da Comunidade Europeia, no plebiscito que optou pelo “Brexit”, desoxigenando a força dada ao Euro, embora, nos seus domínios, só usasse a Libra Esterlina? Ou terá sido pela eleição de Donald Trump à Casa Branca e as suas performances diárias?

Como da vez anterior, pedi a alguns “experts”, todos de maior dimensão do que este escrevinhador, para dar uma visão centrada a nos retirar do limbo. Fiz alguns cortes por conta do espaço. Obrigado e desculpem.

Filomeno Moraes, Doutor, Unifor, diz: “A 'pós-verdade' (e a sua variante mais recente, a dos 'fatos alternativos'), substituindo o 'homo sapiens' pelo 'homo videns' e acentuando a idiotia do politicamente correto, da manipulação marquetológica e do engano ou autoengano, sobretudo no plano da política, ao contrário daquela promessa, é o destino nestas primeiras décadas do século XXI.

Em suma, a marcha batida da insensatez por meio da alienação, da cobiça e da covardia moral que brutalizam a vida humana, alhures e… aqui, parece dizer aos últimos herdeiros da herança iluminista que a nossa república não é neste mundo.”

Antônio Torres, da Academia Brasileira de Letras: “Não será pós-verdade uma forma sintética de um dizer antigo de que “o que importa não são os fatos, mas suas versões?”.

Paulo Elpídio de Menezes Neto – Cientista Político: “Ela surge, de fato, pelos desvãos das redes sociais. Mas é com o escritor americano Ralph Keyes que ganha dimensão política. Maquiavel já o pressentira e identificara nos discursos e nos gestos e atitudes dos homens do poder. O 'Post-Truth Politics' é uma forma de mentira, o laço pelo qual os atores políticos arrancam o apoio dos eleitores, dos súditos, ao dizerem o que as pessoas desejam ouvir. É o 'pós-factual', o que se poderia chamar de 'truthiness', quando se toma uma coisa por verdadeira sobre a base de simples pressuposto afetivo. A 'pós-verdade política' corresponde ao fim da objetividade na política”.

Antônio Colaço Martins – Reitor da UVA – “Levanto duas hipóteses: se o 'pós' da expressão 'pós-verdade' foi usado no sentido temporal, ressalta a historicidade ou transistoricidade da verdade e suas consequências. Com efeito, historicamente, o que foi é, ou seja, continua a ser, de certo modo, em suas consequências ou desdobramentos; se o 'pós' foi utilizado para significar 'para além de' põe em evidência algo a mais, algo superativo da ordem objetiva ou subjetiva, como por exemplo, as emoções e crenças advindas da 'pós-verdade'.

Neste sentido, diz-se que, para ornar a grandeza de um ser humano, além da verdade, é mister que apresente bondade e simplicidade como 'pós-verdades'. Na esteira de Sócrates, dos Estoicos e de Santo Agostinho, Tomás de Aquino (1225-1274) reconhecia o valor noético da afetividade. Blaise Pascal (1623-1662) doutrinou que o coração tem razões que a própria razão desconhece e opôs as “ideias emocionantes” às “ideias claras e distintas” de Descartes (1596-1650).

Sören Kierkegaard (1813-1885) é ainda mais dogmático ao concluir que: a subjetividade é a verdade. Nicolai Alexandrovitch Berdiaef (1875-1948), sem tergiversar, afirma o primado cognoscitivo do coração sobre a razão, da existência subjetiva sobre o mundo objetivo. Assevera com todas as letras: é o homem total que conhece, mas é o coração que está no centro do homem total”.

Clareou? Admitindo que permaneçam dúvidas, voltaremos ao assunto.




COMENTÁRIO:

O termo “pós-verdade” é apenas um neologismo que se insere na sinonímia de “mentira”. Não tem o caráter eufêmico de “inverdade”, de “potoca”, de “peta”, de “ficção” – nem a força agressiva de “balela”, “patranha”, “aleivosia”, “falsidade”.

Não há sinônimos exatos. Cada um deles traz em si uma carga conceitual própria para significar e já qualificar de forma diferente uma mesma coisa. “Puta”, “quenga”, “meretriz”, “cortesã” e “prostituta” indicam pessoas de uma mesma atividade, mas conferindo a cada uma distinto “odor psicológico”.  

No caso de “pós-verdade”, parece que o criador da expressão quis denotar e consagrar o prestígio que a comunicação eletrônica globalizada tem conferido às versões criativas, as tais “narrativas”, facilmente difundidas e abonadas, em detrimento dos fatos reais que as originam.

Não saberia eu estabelecer uma graduação exata entre as virtudes e os efeitos nocivos de se estabelecer a “pós-verdade”. Posto que a verdade seja soberana, nem sempre ela convém aos melhores sentimentos e ao melhor  convívio. Ela é sempre muito mitigada no amor e nos negócios, na sociedade e na política.

As vestes de todos, a maquiagem das mulheres, a pintura do concreto, a pele sobre a carcaça, tudo isso é expediente utilitário contra a verdade nua e crua. Ninguém vivencia suas próprias vísceras, que, porquanto sejam absolutamente reais e presumíveis, não são necessarimente presentes à consciência das pessoas, pois somente à grotesca poesia Augusto-anjeliana interessavam.

Aliás, à poesia muito mais interessa a pós-verdade, na sua linguagem conotativa, como de forma metalinguística o reconhecem Fausto e Patrúcio na letra da canção Frenesi. “Fosse paixão, frenesi / Doce ilusão, moça bela”.

Reginaldo Vasconcelos

Nenhum comentário:

Postar um comentário