HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quinta-feira, 21 de março de 2019

ARTIGO - O Homem, Quem É Ele? (RMR)


O HOMEM, QUEM É ELE?
Rui Martinho Rodrigues*


Matar para roubar ou por algum motivo, por mais torpe que seja, tem uma razão conhecida. Matar por matar, vitimando o maior número possível de pessoas, desafia o pressuposto de que toda ação voluntária tem uma “lógica” ou motivação racional. A “razão” deve ser compatível com as referências culturais do meio social. Latrocínio visa vantagem material. Vingança pode ser a expressão de um sentimento ou valor em uma cultura.

Matar em massa e sem motivação aparente foge às referências do meio, e até aos padrões universais. Exige análise multifatorial que inclua outras considerações, além da discussão sobre briquedos, jogos, bullying e instrumentos potencialmente perigosos. Estes lamentáveis fatos estão se repetindo com frequência crescente. A Antropologia Filosófica pode contribuir para a compreensão do fenômeno.

Alex Carrel (1873 – 1944) debruçou-se sobre quem somos nós, na obra “O homem, esse desconhecido”. Realmente somos uma incógnita. Somos animais racionais? Indubitavelmente temos capacidade de raciocínio. Nem sempre, porém, somos guiados pela razão.

O inconsciente meio insondável, pulsões de vida (Eros) e de morte (Tanatus), segundo Sigmund Schlomo Freud (1856 – 1939), nos influenciam fortemente. Por outro lado, a psicologia evolutiva invoca a filogênese, envereda pelas condições da seleção natural, ligadas à sobrevivência durante milênios.

Battista Mondin (1926 – 2015) pergunta, logo no título de um livro: “O homem, quem é ele?”. Respondendo a indagação, sem nenhuma relação com a obra de Mondin, Renê Noel Theóphile Girard (1923 – 2015) diz que o homem não tem uma especificidade. A coruja é especializada unicamente na caça noturna. O homem tem infinitas possibilidades de desenvolvimento. Qual escolher? Não se trata de especialidade profissional, mas de identidade. A busca de identidade se faz pelo mimetismo. O homem é o animal que imita.

A imitação segue ícones. Os pais foram associados ao patriarcado e desautorizados. Clérigos cometeram suicídio moral. Estadistas foram imolados pelos processos eleitorais deformados. Autoridades corromperam-se. Professores e intelectuais caíram do pedestal. Bandidos adquiriram status híbrido de mártires e heróis. A vitimização os levou a desafiar o “sistema”. A dessacralização dos mores e a destruição de estruturas e referências arcaicas não foram substituídas por instituições culturais, políticas e sociais modernas.

O mimetismo engendra também a vontade de tomar o lugar do outro, eliminando-o se necessário. O conflito mimético (inveja) pode se apresentar como defesa da igualdade. George Orwell (1903 – 1950), em “A revolução dos bichos”, desmascarou a farsa expondo a fórmula encontrada pelos revolucionários para instituir desigualdades: todos são iguais, mas alguns são mais iguais. Matar sem motivo aparente é mimetismo?

Voltamos aos jogos eletrônicos e aos “novos gestores da moral” para os quais bandidos são híbridos de vítimas e heróis, que jogam futebol com cabeças humanas. A celebridade dos bandidos estimula o mimetismo. Nos noticiários policiais e nos filmes bandidos são celebridades. Notoriedade repulsiva e póstuma pode ser atraente.

O templo de Ártemis, em Éfeso, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, foi incendiado por Heróstrato, em 356 a.C. O incendiário, antes de ser executado, disse que seria lembrado para sempre. Alcançou o seu desiderato.

Quem os nossos jovens imitam? Quem ganha notoriedade com a divulgação de imagens e nomes de matadores? Niilismo e anomia tudo banalizam. Não têm limites. Só a notoriedade escapa. Quem destruiu os limites semeou anomia. Quem semeia ventos colhe tempestade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário