HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

NOTA ACADÊMICA - ACLJ Elege a "Palavra do Ano" no Brasil


“DISRUPTIVO”
A PALAVRA DO ANO
2018
NO BRASIL


A “PALAVRA DO ANO” NA INTERNET

Grandes dicionários ingleses, com repercussão na imprensa do mundo todo, costumam eleger a “palavra do ano”, pesquisando em milhares de sítios da internet os termos mais aplicados no período. Às vezes a indicação recai sobre um neologismo, mas geralmente se indica um vocábulo antigo a que se esteja dando uma nova acepção.  

Em 2016, o dicionário inglês Oxford, editado pela universidade de mesmo nome, elegeu o termo “pós-verdade” como a palavra do ano. O termo refere o vezo moderno em que crenças pessoais, ou interesses ideológicos, ou compulsões identitárias, ou veleidades “politicamente corretas” ganham mais peso na sociedade do que a realidade, fática ou biológica.

Em 2017, o mesmo dicionário indicou um neologismo do idioma inglês – “youthquake” – uma junção das palavras “jovem” e “terremoto”, para significar a influência que a juventude passou a exercer sobre a sociedade moderna, pelo domínio da tecnologia, que ela detém, notadamente a informática.

Como 2018 foi um ano corrosivo, com grande número de denúncias de assédio contra mulheres no mundo todo, e com o descrédito de grandes líderes mundiais, o dicionário Oxford definiu o termo “tóxico” como a palavra o ano.

Em inglês, a palavra toxic tem mais amplo significado, incluindo “venenoso”. Esse vocábulo foi amplamente aplicado em função da discussão sobre os prejuízos trazidos pelas matérias plásticas ao Planeta, deflagrada no Dia Mundial do Meio-Ambiente, organizado pela Onu. Mas, além disso, a palavra “tóxico” atingiu sentido metafórico, inclusive em português, para designar pessoas (geralmente políticos), locais e assuntos que seja conveniente evitar. 

Para o famoso dicionário online Dictionary.com, a palavra do ano de 2018 é “misinformation” (informação errada), fazendo referência ao ano das fake News. Já o Collins Dictionary escolheu “single-use” (uso único), lembrando a utilização de produtos descartáveis, feitos para serem usados uma só vez e em seguida dispensados. 



A PALAVRA DO ANO NO BRASIL

Iniciando a tradição entre nós, a Academia Cearense de Literatura e Jornalismo indicou o neologismo “disruptivo” como a palavra do ano para o Brasil em 2018, embora ainda muito discretamente aplicada pela imprensa nacional.  No nosso caso, o critério não é a maior presença do vocábulo nas redes sociais, mas aquele termo que melhor define, nos últimos 12 meses, a realidade do País.


“Disruptivo” é um neologismo em português, adaptado do idioma britânico (disruption), que significa “rompimento”, termo usado nas duas línguas no sentido figurado da quebra abrupta e geral de antigos paradigmas, palavra sem correspondente no idioma lusitano, com essa exata acepção de semântica mais complexa.  

O Brasil experimentou neste ano a ruptura de expectativas em relação à prisão de um ex-presidente da República de grande popularidade, e sobre a subsequente tentativa de assassinato de um candidato de direita, que apesar disso, ou até por isso, se elegeu à Presidência. Isso é absolutamente disruptivo.

Para tanto o candidato independente afrontou poderosos e empedernidos setores da grande imprensa, e a oposição de esquerdistas, entre artistas famosos e intelectuais prestigiosos, e o fez sem o tão cobiçado tempo gratuito de televisão, comunicando-se diretamente com o eleitorado pelas redes sociais, evitando as costumeiras promessas mirabolantes de campanha para a prática já naturalizada de estelionato eleitoral, mas garantindo apenas “sangue, suor e lágrimas” para a correção de rumos. Isso é  absolutamente disruptivo.

Políticos tradicionais, cientistas políticos, jornalistas da crônica especializada – enfim, todos os estamentos da academia e da imprensa estarrecidos, com dificuldade de acreditar, de entender, de processar psiquicamente a nova realidade que despreza todas as fórmulas corriqueiras e aparentemente essenciais de se fazer política e de pretender administrar a coisa pública, sem mistificação, sem loteamento de cargos, e sem fazer coalizões entre partidos. Isso é absolutamente disruptivo.                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário