HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


terça-feira, 11 de dezembro de 2018

ARTIGO - Um relato Atualizado Para a História (CB)


UM RELATO ATUALIZADO
PARA A HISTÓRIA
Cássio Borges*


É prazeroso transmitir para os leitores deste jornal o que escreveu o jornalista Alan Neto em sua conceituada coluna de domingo, dia 2, deste periódico, com palavras elogiosas sobre o livro que escrevi enfocando o planejamento hídrico da vale do Rio Jaguaribe no Ceará: “Guardião do DNOCS velho de guerra, o engenheiro Cássio Borges escreveu um livro para os anais da história – A Face Oculta da Barragem do Castanhão, um  relato atualizado para a História. Uma joia rara...”.

O livro, de 362 páginas, um verdadeiro tratado sobre os recursos hídricos do estado do Ceará, ocupa-se especificamente dos erros de engenharia que foram cometidos no projeto da Barragem do Castanhão, a maior obra hídrica de açudagem do Nordeste. O empreendimento foi elaborado em 1985, pelo então Departamento Nacional de Obras de Saneamento-DNOS, extinto no início do Governo de Collor de Mello. A obra aborda também o perigo de o Projeto de Integração  do Rio São Francisco ser entregue a uma entidade que não tem identificação e vivência  com a problemática hídrica de nossa Região, de rios intermitentes.
 
Desde quando o Açude Castanhão surgiu no cenário cearense, como disse, em 1985, me posicionei contra a sua inclusão no Planejamento Hídrico do Vale do Rio Jaguaribe, tendo escrito quase uma centena de artigos fazendo alusão a esses erros de engenharia sem, contudo, ter sensibilizado os colegas da comunidade técnica/científica do estado do Ceará que preferiram ficar calados a dar qualquer resposta aos meus questionamentos sobre a referida obra. Foram quatorze anos de discussão que, aliás, não houve porque os defensores deste empreendimento preferiram o silêncio como resposta. Daí o motivo porque resolvi escrever este livro: “um relato atualizado para a História”.

  
Mas porque os idealizadores, defensores e promotores deste projeto preferiram ficar em silêncio? Por que não responderam os questionamentos que fiz a este respeito em centenas de artigos que escrevi? Por que utilizaram a evaporação como sendo de apenas 1.700 mm, em vez de 2.800 mm, como foi considerado no seu Estudo de Impacto Ambiental?  Por que cantaram em verso e prosa que a Barragem do Castanhão tinha a sua vazão regularizada como sendo de 30 m³/s e, só agora, trinta anos depois, admitem ser de apenas 10 m³/s?. Por quê?

A conclusão a que chego é que o fato acima deve servir de advertência. Isto é uma prova incontestável do desconhecimento que se tem aqui no Ceará das características do semiárido nordestino. É uma temeridade o Projeto de Integração do Rio São Francisco ser entregue, por exemplo, a uma entidade  que não tem o conhecimento e a expertise que tem o DNOCS, que há 109 anos atua na região nordestina, sem que tenha sido registrado, até hoje, qualquer problema em seus empreendimentos. Nunca é demais lembrar que o DNOCS criou uma florescente civilização em nossa Região e é considerado pelos estudiosos como “o maior fabricante de água do mundo” ou, como já foi denominado também de a “Universidade da Caatinga”.

A construção de 331 açudes públicos de médio e grande porte, de 632 açudes de pequeno porte em regime de cooperação que acumulam, no total, 38 bilhões de metros cúbicos de água, a construção de 22.000 quilômetros de rodovias, 34.000 poços públicos, cerca de 100 mil hectares de irrigação pública e 50 000 hectares de irrigação privada, perenização de 3.000 km de rios intermitentes, equivalente à extensão do Rio Danúbio (que atravessa dez países europeus), criação de nove Centros de Pesquisas Ictiológicas, que têm capacidade de produzir 109 milhões de exemplares de alevinos por ano, entre outras grandes realizações. Tudo isto equivale ao que é gasto através do programa BOLSA FAMÍLIA em cinco anos, sem que este gere um só emprego produtivo.

O DNOCS é a única instituição do Governo Federal ligada à problemática hídrica do semiárido nordestino, que é técnica e administrativamente bem estruturado para assumir, de fato e de direito, a gestão dos recursos hídricos federais de nossa Região. 
___________________________________
Cássio Borges é engenheiro civil, formado pela Escola Politécnica de Pernambuco e cursos de pós-graduação em Barragens e Recursos Hídricos pela Escola Nacional de Engenharia e Escola Politécnica da Universidade Católica, ambas do Rio de Janeiro. O livro mencionado neste texto está à disposição dos interessados na Livraria Cultura.

Artigo publicado no Jornal O Povo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário