HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


sexta-feira, 10 de julho de 2020

CRÔNICA - Aprendendo a Ler (ES)


APRENDENDO A LER
Edmar Santos



Ontem ele não a tinha; hoje, apaixonado, espera preservá-la consigo para até o fim de suas vidas. Não sabe como.

Enquanto ela fala – ela parece ter ânsia de fala – ele a olha profundamente nos olhos; permanece calado como quem está tentando ler em seus olhos a infinitude de sua alma, esperando por essa tentativa de leitura da alma, saber tudo sobre sua amada: seus medos, seus desejos, seus sonhos. 

Que tolo apaixonado! Não sabe que todo aquele que tenta ler a alma alheia através dos olhos é como que um leitor noviço, seus próprios olhos “gaguejam”, silabando em repetência, não consegue ritmar a leitura.

A alma não se lê, justamente porque não é possível vê-la; a alma se aprecia ouvindo em revelação, quando ela se externa em silabas que se encaixam em palavras, quando em meio a frases e orações, configura e verbaliza seus desejos mais íntimos, suas expectativas em relação a si própria, aos outros, ao mundo. Ainda que emotivamente ditas, as palavras apresentam as expectativas da alma para  quem sabe ?  além de escutar, ouvir.

Ela calou-se. Ele perdeu uma preciosa oportunidade de saber um pouco mais sobre ela, pois, não é sempre que o momento é propício à uma fala reveladora do ser; por vezes, “palavras são apenas palavras”. Seus ouvidos estavam fechados pela concentração de seu olhar no olhar dela; no entanto, pelo olhar apenas se pode entender expressões de sentimentos relacionais, não de profundidade íntima. 



– Você parece não haver entendido, ou melhor, ouvido uma só palavra que eu falei!  – exclamou descontente. Um ouvinte atento parece ser um dos requisitos para elas, as mulheres, gostarem de seus parceiros.

– Eu estava lhe olhando, e de tão admirado de ter você aqui, me perdi um pouco nos meus próprios pensamentos; mas sim, escutei o que você disse!  – ele tentou amainar a situação.

– Então, depois de eu lhe falar tanto sobre mim, você irá? – ela lhe indagou. Por segundos ele ficou estático, pensando em uma saída estratégica para àquela situação. Não sabia do que ela estava falando, não ouviu nada do que revelou de si, nem seu desejo. 

– Meu desejo é realizar os seus; no entanto, você poderá me permitir uns dias para que eu me programe? Foi o que lhe veio à cabeça dizer.

– Bem, minha máquina de pensar programação, espero que seus bits e bytes não me façam esperar uma eternidade por uma coisa tão simples. Mas, tudo bem, aguardo.

– Obrigado, minha querida – ele a agradeceu, ao mesmo tempo em que segurava sua mão e suspirava de alívio.

– Só não entendo o porquê de ter que se programar para me acompanhar em uma visita à casa de meus pais!  – ela, em sua ânsia inconformada, exclamou descontente sem saber que estava dando uma segunda chance a ele para, finalmente, entender seu desejo, ainda que tenha perdido a melhor parte de sua fala.

– Você tem razão. Não há mesmo necessidade de tanto protocolo para isso; vamos amanhã mesmo  – aliviado por haver descoberto o desejo da amada, aprendeu a lição daquele dia.

Ler o outro a quem, por algum motivo ou situação nos importa, é uma ação que se realiza em manter atenção empática à fala, ao agir, ao modo ser, para que, por essa empatia atenta, possamos realizar uma leitura proveitosa e fluída; propiciando que nossos olhos não “gaguejem” e nosso ouvidos não se fechem e percebam, por fim, o esplendoroso texto encontrado na linguagem do ser, contida no outro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário