HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quarta-feira, 6 de maio de 2020

CRÔNICA - Não Sou Petista (HE)

NÃO SOU PETISTA
Humberto Ellery*



Acusam-me de ser petista (ou “lulouco”), pelo simples fato de eu não ser “bolsonático”. Para utilizar um termo eufemista, diria que o pensamento “simplório” (o termo correto seria imbecil) divide o mundo político em somente dois pilares, o Lula ou o Bolsonaro (isso não é maniqueísmo, é imbecilidade mesmo).

Já disse uma vez que reduzir as opções políticas, ideológicas ou doutrinárias a apenas duas vertentes, frente à miríade de opções à nossa frente, seria como pintar o arco-íris de preto-e-branco.

Quero também deixar bem claro que até o advento do “mensalão” eu achava que o Lula era honesto. Minhas discordâncias sempre foram com o PT. Não tive propriamente uma decepção com o Lula, porque jamais esperei muita coisa do seu desempenho.

Mas me impressiona a ojeriza que os ditadores, propriamente ditos, caso do Getúlio Vargas, e os políticos ditatoriais, como o Bolsonaro, têm da Imprensa. Seus apaixonados seguidores apelam à violência contra os profissionais da Mídia, como se viu no último domingo na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

O Bolsonaro parece estar sonhando com um “golpe tipo 64” que o entronizaria no Poder, conforme li em diversas faixas conduzidas pelos “bolsonáticos” na manifestação do último domingo, fortemente apoiada pelo próprio.

Além de tudo é um tolo, pois se os Generais cederem à tentação de dar um “replay” em 64 (do que eu duvido) não colocariam um capitão destrambelhado no poder, colocariam lá um “quatro estrelas” sensato, equilibrado, inteligente, quem sabe o Mourão. O que, dadas as circunstâncias, seria um avanço!
  
Voltando à era Vargas, lembrando apenas três escândalos ligados ao Catete, tivemos o caso dos “empréstimos” do Banco do Brasil, o escândalo da Cexim em Fortaleza (que deu até samba de carnaval) e o imbróglio do jornal Última Hora, com o jornalista Samuel Wainer.

No item assassinato tivemos o Major Rubens Vaz, morto na tentativa de matarem o Carlos Lacerda,  a descoberta de todo o envolvimento do braço direito de Vargas, o Gregório Fortunato, e a abertura pela Polícia dos seus arquivos, que conduziu o Mar de Lama diretamente ao Gabinete Presidencial no Catete (aliás, a expressão “mar de lama” foi criada pelo próprio ditador). Portanto, o jornal O Globo tinha razão: O Governo Vargas era corrupto e assassino.

A propósito, recomendo a leitura do livro “A Cozinha Venenosa” da jornalista brasileira (correspondente da Folha de São Paulo na Alemanha) Sílvia Bittencourt. Depois de um intenso trabalho de pesquisa,  a professora da Universidade de Heidelberg publicou a luta destemida do jornal Münchener Post contra o nazismo e, principalmente contra o Führer, que se referia ao jornal como cozinha venenosa (tal como hoje o “Mito” se refere à  Globolixo). 

Concluindo, digo que faço críticas à Imprensa toda vez que vejo erros, exageros e até mentiras, mas é sempre melhor conviver com o barulho de uma imprensa que comete erros que o silêncio das ditaduras. Mesmo porque há a Justiça para punir crimes contra a honra,  as calúnias, as injúrias e as difamações.




COMENTÁRIOS


Sinto-me contemplada com seu artigo de Humberto Ellery. Reduzir as opções e ideias políticas a duas figuras é uma falta de visão incrível! Não sou lulista nem bolsonática. Nunca gostei de extremos. Obrigada por escrever pelos que são pensam com equilíbrio.

Karla Karenina

............................................................................

O Brasil só tem a esquerda e a direita como ideologias partidárias – e faz tempo que é assim. Na esquerda há nuances, com grupos de discurso mais trabalhista, mais sindicalista, outros mais trotskistas, outros mais stalinistas. Recentemente, todos seguindo a cartilha do italiano Antonio Gramsci.

Mas não temos um partido de direita comprometido com o parlamentarismo, com o monarquismo, como o liberalismo econômico, com o catolicismo, com o nazismo que seja. Portando, não há posta no cenário essa terceira via ideológica que o Ellery sonha defender. Lula foi eleito sob a bandeira de moralizar a vida pública, contrapondo-se à velha política, representada por caciques regionais encravados em Brasília.

Seria antípoda de Paulos Malufs, de Josés Sarneys, de Jaderes Barbalhos, de Collores de Mello, de Renans Calheiros, de Romeros Jucás, de Eduardos Cunha, de Eduardos Alves, de Antônios Carlos Magalhães, de Eunícios de Oliveira – esses, dentre outros, os caciques da velha política brasileira que Lula prometia destronar – e eu cheguei a pensar que ele iria tentar e ser esmagado, porque essa turma é portentosa.

Mas Lula da Silva nem tentou. Pelo contrário, autoagnominado "Lulinha Paz e Amor", se associou a todos eles, e quando cobrado pelas esquerdas de uma agenda mais marxista, mais agrorreformista, mais revolucionária, ele mesmo alegou que faria as mudanças prometidas e esperadas, mas com calma, que não podia “dar um cavalo de pau no Titanic”.

Então ele tentou se fortalecer junto a republiquetas ditatoriais das Américas e da África,  pôs em prática uma política populista, paternalista, anarquista, gramscista, para garantir o voto do povão, enquanto, por outro lado, favorecia banqueiros e elegia os empresários considerados “campeões nacionais” (como os irmãos Batista da JBS, Eike Batista do Grupo EBX, pai e filho Odebrecht  entre outros), para a prática do capitalismo mais desvairado e mais selvagem.

Qualquer um dos políticos profissionais bem cacifados que fosse eleito à Presidência da República nas últimas eleições ia fazer a mesma coisa, todos eles de alguma maneira comprometidos com a política velha direitista, quando não com a esquerda nova gramscista, que joga milho aos pombos da pobreza, enquanto se associa às águias da corrupção e da roubalheira.

Aí as redes sociais elegeram o Bolsonaro, um sujeito meio doido, meio destrambelhado, intimorato, de origem humilde, pobre de Jó, absolutamente franco e sem notícia de desonestidades no currículo. Imbuído de patriotismo, falando em resgate da família e em restauração dos preceitos cristãos tradicionais. Então, quem não está com ele, está com o resto – sejam os lobos da velha política, sejam as raposas da esquerda torta – tanto faz. Ellery não tem por que reclamar ao ser rotulado de petista.  

Meu avô dizia que “pinto que na água suja se cria, por ela pia”. A grande imprensa brasileira, constituída por empresas concessionárias do Governo Federal, obviamente se sentiu ameaçada com o rigorismo da doutrina bolsonária, e alguns veículos mais comprometidos com a legislação fiscal, que já faziam campanha contra e apostavam na derrota eleitoral do "Mito", caiu em desgraça com o Poder Central, teve cortes nas verbas da publicidade oficial, e passou a perseguir Bolsonaro frontalmente – precisa ser um idiota desinformado para não perceber isso.        

Um homem preparado e inteligente como Ellery entender que Bolsonaro é autoritário e persegue a imprensa, quando é exatamente o contrário que acontece, é um fenômeno que pode ser explicado pelo que Rui Martinho Rodrigues chama “a cegueira dos paradigmas”. Um autoritário não respeita hierarquia, não aceita conselhos, não reconhece os próprios erros, manda prender e arrebentar, manda empastelar jornais, e não propala que se deve seguir a Constituição, como ele diz, e como ele cumpre.   

Sou jornalista e sei que um órgão de imprensa não precisa mentir para fazer mau jornalismo. Basta exagerar, selecionar e privilegiar as matérias contrárias, gastar minutos de horário nobre mostrando edifícios urbanos à noite sob a sonorização de "panelaços", só entrevistar opositores, omitir o que favoreceria, dizer as coisas com insistência, com malícia e virulência.

Gosto de exemplificar com o caso emblemático do escritor pernambucano falecido José Mauro de Vasconcelos, que, na década de 60 escreveu um livro banal, “Meu Pé de Laranja Lima”, que se tornou um best-seller – o que irritou o meio intelectual inserido na imprensa. O livro era um sucesso de vendas, e um fracasso de crítica.

Então, quando o escritor resolveu tentar uma segunda obra, que não decolou, um jornal do Rio de Janeiro, sem dizer nenhuma mentira nem articular nenhum impropério, nada que justificasse uma reprimenda judicial, publicou a seguinte manchete em letras garrafais: “JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS ANDOU ESCREVENDO DE NOVO”.

Por fim, quando os bolsonaristas mais exaltados pregam contra o Supremo Tribunal Federal e contra o Congresso Brasileiro, fazem-no porque acreditam que essas instituições da República se excedem no legítimo exercício do poder, e dessa forma ferem a Constituição e conspurcam a democracia, ao manobrarem para prejudicar um legítimo Presidente da República – segundo entendem – e a liberdade de expressão é um preceito de mão dupla.

Portanto, se as Forças Armadas se levantassem contra o status quo republicano, o fariam em nome da constitucionalidade, como têm dito ser sua missão institucional, para restabelecer a lei e a ordem, e portanto teriam que apoiar e manter o Presidente atual, democraticamente eleito por maioria de votos, em eleições regulares e incontestes.

Reginaldo Vasconcelos        
                    


2 comentários:

  1. Caro Ellery, me sinto contemplada com seu artigo! Reduzir as opções e idéias políticas a duas figuras é uma falta de visão incrível! Não sou lulista nem bolsonática. Nunca gostei de extremos! Obrigada por escrever pelos que são pensam com equilíbrio!

    ResponderExcluir