HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

RESENHA - Razão e Fé do Carvoeiro, de Rui Verlaine O. Moreira e Anchieta Barreto (VM) - 02.01.20



EXPEDIENTES PARA A
ESTÉTICA DE UM TEXTO
Vianney Mesquita*


Quem não encontra prazer na arte sequer alcança o sentido da beleza (LOUIS BURLANT),


Alegoria, símile e metaforismos de toda ordem constituem tropos linguísticos de que os autores se utilizam para conceder às suas produções a singularidade estilística que os faz distintos das demais pessoas praticantes do exercício textual, menos na Ciência e na Filosofia, no entanto, bem mais intensivamente na comunicação literária.

Tal dessemelhança em relação a outros executores do discurso gravado – em qualquer suporte de registo informacional – é, no entanto, subsidiária à intenção autoral de conceder aos escritos o componente estético, cujo ajustamento da mensagem preside, no ato de seu recebimento, a acolhida fiel por parte do destinatário, com a conquista de um recado perfeito.

Ao justapor adequadamente os elementos informativos e estéticos, nesse dúplice aspecto da comunicação humana, tomando na devida consideração o nível de sua audiência, o escritor – ou comunicante qualquer de boa qualidade – logra infundir no receptor a simpatia pela ideia fácil, à qual ele se afeiçoa por definitivo, uma vez ataviada pela beleza resultante dos expedientes elocutivos.

Com efeito, os bons produtores de qualquer gênero escritural constituem nação especial no concerto dos demais comunicadores, porquanto seus objetivos são bem meditados e transferidos consoante os atributos da mensagem e as regras não muito fixas da elocução (ou estilo), motivo por que apanham sempre a melhor recepção.

Muito me apraz, por conseguinte, reiterar a conclusão, tirada há alguns anos, de que esta é a feição produtora dos professores doutores Rui Verlaine Moreira e José Anchieta Barreto, compartes de extenso tempo na ideação didático-científica, expressa em livros e artigos de raro alcance – mormente na Filosofia da Ciência – numa apreciável periodicidade produtiva, considerando que, nos últimos ciclos,  trazem, pelo menos, um volume por ano.

Neste comenos, ao invitar os múltiplos recursos de que a Língua Portuguesa dispõe, bem assim, os meios oferecidos pela Estilística, esses pesquisadores organizaram – e presidiram como docentes da disciplina Teoria e Método das Ciências, na Universidade Federal do Ceará – a obra Razão e Fé do Carvoeiro, contrapondo razão e conhecimento da communis opinio (aqui a fé), ao estudar, juntamente com onze parceiros, o ideário de filósofos como Descartes, Sartre, Schutz, Marcuse e Feyerabend, oferecendo novas decodificações do seu pensamento nem sempre bem compreendido pelos que não se debruçam, como fizeram os signatários desses ensaios, na filosofia de escritores tão prestigiosos e celebrados, e que compõe Razão e Fé do Carvoeiro.

A denominação alegórica com que inteligentemente intitularam a obra procede do entendimento desarrazoado de muitos, às vezes na fé inabalável, que não dá ouvidos a argumentos razoáveis, assentada na seguinte historieta: o Diabo, com disfarce de eremita, entrou na cabana de um carvoeiro, a quem indagou:

 Em que tu acreditas?

Creio no que acredita a Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana – respondeu o carvoeiro.

E o que crê a Santa Igreja? – Redarguiu o Demônio.

Acredita no que creio – respondeu o carvoeiro, que se limitou a estas respostas, sobrando o Demo logrado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário