HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


segunda-feira, 29 de julho de 2019

CRÔNICA - Conselho de Mãe Improvisada (EN) - 29.07.19


CONSELHO de mãe
improvisada
Edmílson Nascimento*


O episódio se passou no tempo em que fusca era carro e a gente ainda o chamava de Volks, já que ele era literalmente o carro-chefe da marca mais famosa da época.

Também naquele tempo eram comuns as trocas de visitas entre casais amigos, quando a maioria das famílias ainda morava em casas, pois, devido à grande disponibilidade de terrenos, a cidade ainda não começara a crescer verticalmente.

Era também costume, após terminada a visita, os anfitriões acompanhar os visitantes até seu carro, enquanto arrematavam o penúltimo capítulo daquela animada conversa que mais parecia uma novela sem fim.

E, devido à tranquilidade da época em que não havia perigo de assalto como hoje, era comum também o papo se prolongar na calçada da rua, só terminando quando os visitantes entravam no carro estacionado ali mesmo defronte ao portão e a ignição era acionada, não raras vezes em torno da meia-noite.

Conterrâneas daquela cidadezinha do Interior, as duas amigas de infância, ambas agora casadas com bancários, passaram a morar na capital, onde deram continuidade à amizade, encontrando-se principalmente nos aniversários dos filhos pequenos.

Naquele fim de noite, quando, após terminar uma alegre visita, o casal se despedia dos anfitriões na calçada, já com o motor funcionando, ouvem um barulho de uma trombada entre dois carros naquela importante avenida que ficava a 50 metros dali.

Não dava para não acorrer ao local, menos por curiosidade e mais para oferecer ajuda a eventuais vítimas, como era da natureza da gente do Interior.

Ao se aproximar, porém, presenciaram quando um dos motoristas saiu do seu carro em direção ao outro guiador, que, de tão embriagado, não só não conseguia sair de seu automóvel, como não esboçava qualquer reação para se livrar de ser morto pelo outro, que, aos gritos e palavrões, e já com as duas mãos no seu pescoço, tentava esganá-lo.

Ao perceber que era iminente uma tragédia, uma das duas jovens senhoras correu para tentar impedir o assassinato, pedindo ao rapaz descontrolado que pelo amor de Deus largasse o pescoço do outro, argumentando que senão ele podia acabar com a vida do pobre bêbado indefeso.

E era tão grande a raiva do agressor pelo prejuízo sofrido, que ele estava visivelmente transtornado, totalmente fora da razão e decidido a se vingar ali mesmo, de maneira que, ao ouvir que sua agressão poderia matar o outro, isso só o estimulava a prosseguir na violência.

Ao perceber que sua argumentação não surtia o efeito desejado, a jovem senhora resolveu mudar de tática, e decidiu tentar um infalível pretexto que alcançasse o âmago de seu inconsciente egoístico, passando então a alertar o rapaz de que ele não deveria sujar suas mãos de sangue, pois o crime que estava prestes a cometer somente prejudicaria sua própria vida para sempre.

E, apesar do clima de tensão e nervosismo do momento, somente após ouvir um argumento tão convincente ele finalmente soltou o pescoço do outro, como se seu inconsciente o alertasse para as graves consequências que o impensado e tresloucado gesto poderiam trazer para ele próprio.

Não foi a primeira vez nem seria a última que aquela jovem e experiente mãe salvaria uma vida em perigo, recorrendo aos seus conhecimentos caseiros de psicóloga autodidata, já postos em prática bem-sucedida com seus filhos tão jovens e imaturos como aquele inconformado motorista.




Um comentário: