HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


domingo, 28 de julho de 2019

ARTIGO - A Civilização de Hoje (RMR)


A CIVILIZAÇÃO DE HOJE
Rui Martinho Rodrigues*



Civilizações podem ser estudadas como categorias de análise. Arnold Toynbee (1889 – 1975) examinou mais de uma centena delas. Registrou suas tendências cíclicas de ascensão e declínio. Casos exemplares têm sido examinados por muitos pesquisadores, como o Império Romano.

Crise econômica, exaurimento do escravismo, declínio da agricultura e burocratização são fatores assinalados por Maximilian Karl Emil Weber (1864 – 1920), cuja interpretação enfatizou fatores internos. Charles-Louis de Secondat, Barão de La Brède e de Montesquieu (1689 – 1755), também ressaltou aspectos intrínsecos ao analisar a queda de Roma.

Considerações políticas, porém, foram mais destacadas pelo pensador francês, que ressaltou a instabilidade pós-republicana. O início de tudo, porém, teria sido o êxito de Roma: sucesso levando à derrota.

O Ocidente enfrenta graves problemas vivendo o período mais próspero jamais visto, com bem-estar jamais experimentado. O grande salto tecnológico oferece soluções e cria problemas.

O choque cultural agudizado pelos fluxos migratórios e comunicações globais parecem desencadear um conflito entre civilizações (Samuel P. Huntington, 1927 – 2008). 

Mas o que é o Ocidente? Existem identidades? Não se toma banho duas vezes no mesmo rio (Heráclito de Éfeso, 540 – 470 a.C.)? Ou sem um significado diante do espelho resta o caos? Romanos e gregos e entraram em decadência quando perderam suas referências.

O Ocidente é uma mistura heterogênea das tradições grega e hebraica, contendo contradições. Cria significados e tenta destruí-los. Gera conhecimento que soluciona e cria problemas. A instabilidade ronda as instituições, lembrando a queda de Roma, na visão de Montesquieu.

Déficits fiscais endêmicos e crises econômicas lembram a explicação de Weber para o declínio dos romanos. O desgaste da identidade e os multiculturalismos interativista e diferencialista recordam o choque entre civilizações, apontado por Huntington.

O Ocidente criou o habeas corpus, o governo consentido por eleições e outros dispositivos preciosos. Mas é autodestrutivo. O trabalho de Sísifo, hoje, se faz com grande velocidade, gerando instabilidade. Mitos políticos são desacreditados mais rápido do que construídos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário