HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


quinta-feira, 4 de julho de 2019

ARTIGO - Cara de Pau ou de "Aglomerado"


CARA DE PAU
OU DE
“AGLOMERADO”
Reginaldo Vasconcelos*


Cientistas descobriram que os cães, após domesticados, desenvolveram musculatura especial na cabeça  para refinar a sua comunicação com o ser humano, por meio de expressões faciais que lhes denunciem as emoções. O franzir da testa, o movimento das sobrancelhas, os olhos lânguidos e pidões.

A “cara de cachorro que quebrou o pote”, notada pelo adágio popular, flagra a realidade de que, diferentemente dos seus primos da espécie lupus, o “maior amigo do homem” consegue mostrar no focinho o que ele sente – e não pode disfarçar o que eventualmente fez de errado.

Já os lobos, da mesma família canidae, têm “cara de pau”, mantendo o ar impassível, estejam atacando ou empreendendo fuga, estejam comendo ou sentindo dor, estejam felizes ou angustiados. E “cara de pau” têm alguns seres humanos, que, na mão inversa à dos cães, aprenderam a dissimular na fisionomia aquilo que lhes vai na alma ou têm em mente.

Uma grande rede de supermercados brasileira trouxe certa vez da Rússia uma série de especialistas em interrogatório, mentalistas que conseguem detectar a falsidade dos entrevistados apenas observando suas expressões, o seu gestual e as suas posturas corporais.

Mesmo sem falar português, e, portanto, sem entender uma só palavra, apenas observando as reações de candidatos à “compradores” da empresa – função que exige absoluta honestidade – esses antigos agentes da KGB apontavam quem estava sendo sincero e quem falava sob reserva mental.

Eu não sou inquisidor russo nem especialista em expressividade animal, porém, nem precisava sê-lo, para perceber as contradições e os atos falhos cometidos na entrevista prestada há poucos dias, na Globo News, pelo Ministro Gilmar Mendes, o mais controvertido e impopular integrante do Supremo Tribunal Federal.

Foi grande crítico do petismo, e por isso era detestado pelos adeptos da sigla – ele mesmo reconheceu – e hoje levanta a bandeira do “Lula livre”, o que deleita os petistas – foi o que o Ministro deixou no ar ao concluir. Por quê mudou de postura ele não pôde deixar claro. Ficou no ar.

O que se apura daquela entrevista do Ministro Gilmar é que, conforme ele entende, os vazamentos para a imprensa de documentos de inquéritos e de decisões judiciais (que, em última análise, são apenas a revelação pública antecipada da verdade), seriam um crime inominável, cometido, segundo ele, pelos Procuradores da Lava Jato.

Entretanto, deixa entender que o raqueamento criminoso das autoridades federais da mesma Operação Lava Jato, com fins político-partidários, visando anular condenações, seriam toleráveis, e que seus resultados devem ser aproveitados pela Justiça, antes de serem periciados e confirmada a integridade dos conteúdos. Pode?

Por fim – sempre de voz muito empostada e entremeando as frases com  “ÊH...”, “ÉH...”, “AH...” – embora reconhecendo que a comunicação entre juízes, advogados e membros do Ministério Público seja prática corriqueira no Brasil (e isso não significa parcialidade dos julgadores), o Ministro Gilmar também deixou no ar que, no caso da Lava Jato, as condenações poderiam ser anuladas, com a soltura dos corruptos e, inclusive, com a devolução das propinas aos criminosos  e das verbas que eles haviam desviado – colocando os heróis da República no banco dos réus, e os réus condenados e presos no trono dos justos. Pode?

A propósito, “aglomerado” é aquela madeira falsa, mas maleável  "compensado" ou "MDF"  feita com fragmentos comprimidos em resina, cuja consistência não resiste bem ao tempo, ao manuseio e à umidade, material de que parece serem feitas algumas notórias “caras de pau”, que mudam conforme a conveniência,  mais adaptadas ao clima seco de Brasília.

     

Nenhum comentário:

Postar um comentário