HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


segunda-feira, 20 de abril de 2020

ARTIGO - Reminiscências (RMR)


REMINISCÊNCIAS
Rui Martinho Rodrigues*



Isolamento social, noticiários monotemáticos e a inconveniência do convívio social incomodam até misantropos. O distanciamento involuntário aborrece. Até viciados em leitura pensam nas atividades sociais agora desaconselhadas. A percepção do tempo se transforma. Horas escorrem preguiçosas. Pensamentos situados no fim de uma longa fila, agora encontram espaço.

O futuro, sempre insondável, tornou-se preocupante. A incerteza adquiriu status de inquietação. Mnemosine, a musa da memória, desperta a lembrança de Clio, sua filha e de Zeus, deusa da História, que tem consigo uma trombeta e descreve os desafios vividos e as soluções sempre encontradas. Não há limite para os sacrifícios antes do epílogo.

Mnemosine suscita reminiscências que despertam o olhar para o outro extremo: o futuro e o encontro com o inescrutável. O porvir pede a compreensão do passado, fechando o círculo. Em uma vida testemunhamos transformações nos mais diversos campos.

A volatilidade do que Zygmunt Bauman (1925 – 2017) deu o nome de modernidade líquida, transformou as atividades lúdicas infantis, como as brincadeiras de roda; o jogo de pedras das meninas; o fura chão dos meninos. Cadeiras nas calçadas quase desapareceram; novelas do rádio foram extintas; vendedores de porta em porta sumiram. Referências culturais e identidades se dissolveram.

As novas tecnologias impactantes em quantidade superaram as inovações de muitos séculos em uma só geração. Afastaram ou atenuaram o perigo de algumas epidemias recorrentes, como varíola, sarampo, parotidite, poliomielite, meningite e difteria.

Mas chegaram outras, como zica, chikungunya, dengue, Aids, gripe asiática e gripe suína. Antibióticos, antivirais e principalmente vacinas haviam nos proporcionado uma confortável sensação de segurança.

No tempo de uma vida não muito longa tivemos muitas crises políticas. Parlamentarismo, deposição de presidente, renuncia de um papa, revolução dos costumes, reforma ortográfica, reformas do ensino e graves crises financeiras e econômicas. Experiências históricas orientavam a busca de soluções em todas elas.

Estrategistas estudam história militar; economistas analisam crises passadas; sanitaristas aprendem com a história das epidemias. Veio, porém, o inédito. “De repente do riso fez-se o pranto/(...)/Fez-se do amigo próximo o distante/(...)/De repente, não mais que de repente” (Marcus Vinicius de Moraes, 1913 – 1980).

A singularidade sem precedente não se faz acompanhar de lições do passado. Não é coisa de Macunaíma (Mário Raul Morais de Andrade, 1893 – 1945), que só fecha a porta depois de roubado. Afaste-se o complexo de vira-lata (Nelson Falcão Rodrigues, 1912 – 1980). O radicalmente novo não tem manual de instrução.

A calamidade pública facilita a corrupção, repondo o citado herói sem caráter no centro da cena. Claude Lévy-Strauss (1908 – 2009) não estava inteiramente certo. Não só os nossos trópicos são tristes. Foi o mundo que “de repente, não mais que de repente se fez triste, perplexo, e entrou em pânico.

Subitamente, porém, a trombeta de Clio anunciará a superação do infortúnio. Não sabemos os sacrifícios que encontraremos pelo caminho, mas a História tudo resolve, apesar da corrupção que se aproveita do afrouxamento dos controles durante a calamidade; da demagogia, forma decadente da democracia (Aristóteles, 385 a.C – 323 a.C). Invoca-se em vão o santo nome da ciência, como se no caso ela fosse unívoca. Convém, todavia, na luta pelo poder, seguir o caminho proposto por Nicolau Maquiável (1469 – 1527): aparentar virtude.


Nenhum comentário:

Postar um comentário