DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

ARTIGO - Um Caso de Polícia (RMR)

 UM CASO DE POLÍTICA
Rui Martinho Rodrigues*

  

Dezenas de bandidos subjugaram, por algumas horas, a cidade de Criciúma, SC, que ao tempo do censo de 2010 contava com cento e trinta e três mil habitantes. Objetivo: roubar a agência do Banco do Brasil. Foi a repetição do ocorrido uma semana antes em Araraquara, SP, cidade de duzentos e trinta e oito mil habitantes, segundo estimativa do IBGE para o corrente ano.

 

Há quem fala em novo cangaço. Os cangaceiros, porém, atacavam apenas cidades pequenas. Depois de tentar apoderar-se de Mossoró, Lampião teria dito que cidade com mais uma torre de igreja não é para cangaceiro, conforme Cícero Rodrigues de Carvalho, na obra “Sociologia do cangaço”. A minúscula vila de Nazaré, na zona rural do município de Arco Verde, também repeliu um ataque de famoso bandido. O rei dos cangaceiros contava entre gargalhadas que saiu de lá correndo porque na citada vila até menino atirava. 

Hoje, criminosos escolhem cidades médias, sede de batalhões que são atacados e encurralados pelos bandidos. Táticas de combate urbano são usadas. Vias são bloqueadas, emboscadas são preparadas para os reforços que porventura sejam enviados. Armamento de guerra é empregado. Informações sobre a presença no Brasil de veteranos das lutas do Oriente Médio, contratados para treinar e organizar combatentes do tráfico não são novidade. 

A enorme soma de recursos arrecadado pelas organizações criminosas permite isso. O controle de territórios; a imposição de normas rigorosamente obedecidas pela população; o despejo de famílias de suas casas, resolução esta que transita em julgados imediatamente e a implantação do terror com práticas que vão do tiro na mão ou na coluna vertebral até a morte estão consolidados. 

Os laços entre as organizações criminosas e a sociedade vão desde o consumo do que elas oferecem, financiando-as; até a participação nas fileiras dos exércitos das mencionadas facções, passando pelo suborno e a intimidação. Tudo isso fica relegado aos noticiários policiais menos prestigiados. A sociedade adaptou-se ao quadro trágico descrito. As parcelas mais influentes da sociedade ainda não são despejadas de suas casas. A expressão “caso de polícia”, usada para indicar problema grosseiro, mas simples, diverso dos magnos desafios da política não corresponde a este tipo de criminalidade, que é “apenas um caso de política”. 

O Leviatã emasculado pela vitimização da bandidagem; pela falência dos valores sem os quais as leis “não pegam”; pela decadência da democracia transformada em demagogia, conforme previsão de Aristóteles (384 a.C. – 322 a. C.), cria uma situação semelhante a tantas outras em que figuras nomeadas como “senhores da guerra” (bandidos poderosos) assumem o controle da sociedade, como na China, durante o período de desordem que lá se instalou. 

A queda do Império Romano foi sucedida pelo surgimento de poderosos que ofereciam proteção cobrando vassalagem, compondo um quadro, em nossos dias, comparável com o fim da pax romana. Temos senhores da guerra, algum tipo de proteção em troca de vassalagem, perda de referências e desorientação na sociedade líquida (Zygmunt Bauman, 1925 – 2017), pós-moralista (Giles Lipovetsky, 1944 – vivo) e desorientada (Anthony Daniels, conhecido como Theodore Darlymple, 1949 – vivo). 

“A Revanche do Sagrado Sobre a Cultura Profana”, obra de Leszek Kolakowski (1927 – 2009), ressalta mais um elemento comparável ao que resultou na ordem medieval. Resta saber se teremos uma Idade Média islâmica ou se uma religião civil prevalecerá com os seus dogmas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário