HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


sexta-feira, 26 de junho de 2020

CRÔNICA - O Menino e o Gafanhoto (ES)


O Menino e
o Gafanhoto
Edmar Santos*


A vida humilde e desabastada tem lá seus encantos. As fantasias e imaginações que suscitam vivências infantis em busca de diversão e alegria são incontáveis. O leitor ou leitora que foi criança antes do tempo das tecnologias inovadoras, principalmente dos brinquedos, sabe bem do que falo.

Caroço de manga virava vaquinhas; as latas que vinham com alimentos em pó, se tornavam carros de puxar com barbante; um pedaço de haste de ferro com uma extremidade retorcida e outra pontiaguda, dava origem à brincadeira de “fura chão”; o papel timbrado dos maço de cigarro eram dobrados em formato retangular e ganhavam status de dinheiro. Se o leitorado puxar pela memória vai ampliar com muita facilidade essa lista de improvisos que divertiam as mais belas infâncias que se podem rememorar. Brinque de relembrar.

Havia crianças que gostavam de fazer de certos animaizinhos seus brinquedos, digamos, mais avançados em tecnologia, porque não dizer: com funcionamento automático. 

Fazer luminárias de vaga-lumes, corrida de “calangos”, criação de lagartas, cutucar “casa” de marimbondos para provocar carreira de meninos em bando. Existem mais exemplos desses meios de diversão, mas vou deixar por conta da lembrança de quem ler esse texto. Quem viveu, viveu!

Nessa semana última, acompanhando os noticiários e redes sociais, tomei conhecimento de que uma nuvem de gafanhotos partindo da Argentina, nossa vizinha, tende a chegar ao Brasil. Não obstante a preocupação com a peste, principalmente pela questão agrícola, isso me trouxe uma nostalgia tremenda. 

Explico: justamente nos tempos de infância, nesses momentos de imaginação fértil no desenvolvimento de brincadeiras, tive também minhas vezes de pegar bichinhos para adaptar como brinquedo automático. 

Pois bem! Gafanhoto era o inseto que eu gostava de capturar, amarrar as patas traseiras com barbante, e “dar linha pro bicho voar"; pronto, estava feito meu helicóptero de combate, verde-exército de ponta a ponta. Cada voo rasante mais belo que o outro! E o sorriso? Ah! Só quem brincou sabe.

Quantos helicópteros não se fariam com essa nuvem de gafanhotos? Cálculos imaginativos de criança.



3 comentários:

  1. Maravilhoso texto,lembra minha infância, parabéns 👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  2. ����������Muito bom!

    ResponderExcluir
  3. Cara que texto massa. Enquanto lia ficava me lembrando que fiz tudo isto. Que época boa, eu era feliz e não sabia.

    ResponderExcluir