HOMEM DO ANO NO CEARÁ

2019

Cândido Albuquerque

Reitor da UFC

______________________

DESTAQUE CEARENSE

2019

Mansueto Almeida

Secretário do Tesouro Nacional

_______________________

PALAVRA DO ANO NO BRASIL

EM 2019

“PROTAGONISMO”

(COM AS SUAS COGNATAS)

______________________


sexta-feira, 12 de junho de 2020

ARTIGO - O Dnocs Que Eu Quero Soerguer (CB)


O DNOCS QUE EU
QUERO SOERGUER
Cássio Borges*



São dois os meus propósitos em incentivar e defender a publicação de manifesto em favor da permanência e manutenção do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs): Primeiro, para dar o meu total apoio ao engenheiro Ângelo Guerra, que fez uma excelente administração quando esteve à frente do nosso Departamento tendo, inclusive, sido eleito no ano de 2018 “O Homem do Ano” pela Academia Cearense de Literatura e Jornalismo (ACLJ), cujo Presidente é o competente e sério Jornalista Reginaldo Vasconcelos.

Segundo, para consolidar perante a opinião pública o magnífico e importante trabalho iniciado pelo Deputado Estadual Walter Cavalcante em favor da formação de uma Frente Ampla Parlamentar em favor da manutenção e permanência do Dnocs no cenário nordestino. Referido Deputado, inclusive, conseguiu a assinatura de todos (eu disse, “de todos”) os deputados cearenses, independentes do partido a que pertencem, em favor desta sua louvável tese. Toda a sociedade cearense e nordestina não pode deixar de ter conhecimento desta importante iniciativa do citado Deputado.

Quando entrei no Dncos em Recife, em 1958 (em plena seca), e tomei conhecimento do pronunciamento do primeiro Diretor-Geral do Dnocs, Miguel Arrojado Lisboa, na Escola de Engenharia do Rio de Janeiro, desde então, entendi a razão porque ele se referiu na sua conferência, ali pronunciada, o que ele chamou de ações do Dnocs para o combate aos efeitos da seca, seguindo um programa de obras tendo como focodados de real e pura observação do terreno”. 

Este termo “dados de real e pura observação no terreno” ficou na minha mente desde então, e ainda continua até hoje. Vi e manuseei o trabalho original traduzido e corrigido, entrelinhas, por alguém do original em inglês, de próprio punho, escrito pelo Engenheiro americano Geraldo Waring, do Bureau of Reclamation dos Estados Unidos, que fez a primeira medição de vazão na América do Sul, no Rio Jaguaribe, na ponte ferroviária de Iguatu. Lembro, eram três páginas datilografadas bastantes envelhecidas pelo tempo, com a tradução em português, manuscrita encimada em cada palavra. O Engenheiro Joaquim Guedes Correia Gondim Filho tem conhecimento deste histórico documento e, ainda pode ter, quem sabe, em sua posse, o original.

O funcionário do Dnocs  que auxiliou o Engenheiro Geraldo Waring quando ele chegou ao Brasil no início dos anos de 1910 ou 1911 chamava-se Clarindo (citado em uma das doze publicações da Missão Francesa/GVJ/SUDENE) sobre o vale do Rio Jaguaribe. A segunda pessoa que aprendeu a técnica de medir vazão com molinete fluviométrico em rios, ensinado por Waring, foi seu genro Manuel Silva, um grande hidrometrista que o Dnocs teve e com quem trabalhei até o início da década de 90, quando me aposentei.  Esta bela história pode ser contada, também, pelos engenheiros do Dnocs Heitor Hugo da Silveira e José Arnóbio Souza Alves, que realizaram medições, em cotas alta, nas enchentes de 1985, no Posto Fluviométrico de Peixe Gordo, no Rio Jaguaribe, localizado logo acima da cidade de Limoeiro, Ceará.  Pelo fato de eu ter detalhado conhecimento desta importante parte inicial da história do Dnocs, o engenheiro Genésio Martins de Araújo, então Diretor-Geral Adjunto do Dnocs, dizia que eu era o “Missionário da Hidrologia do Nordeste”.

Quando hoje vejo tantos erros grosseiros de engenharia cometidos no projeto da Barragem do Castanhão como, por exemplo, um erro de até 300% na determinação de sua vazão regularizada, fico estarrecido e decepcionado em observar a indiferença da comunidade técnica/científica do Estado do Ceará, em aceitar este fato como a coisa mais natural deste mundo, sem consequências, que deve ser esquecido e retirado da história dos recursos hídricos de nossa Região. E o extraordinário engenheiro Miguel Arrojado Lisboa, o que diria, se ainda estivesse vivo?
 
Mas não foi só este erro no projeto do referido reservatório, existem outros (cerca de dez), tão graves como este, como é o caso do índice evaporimétrico que os idealizadores e projetistas daquele empreendimento (leia-se Departamento Nacional de Obras de Saneamento  DNOS com o apoio total da Secretaria de Recursos Hídricos do Estado Ceará) cometeram ao fazerem a simulação hidrológica do referido reservatório usando o índice evaporimétrico como sendo de apenas 1700 milímetros, mas no seu "Eia Rima" vê-se citado como sendo 2.893,5 milímetros. Outro erro inacreditável e até admite-se ter sido proposital para aumentar, ficticiamente, a vazão regulariza do citado açude e, assim, justificar a sua construção. Por isso, afirmavam que sua vazão regulariza era 30 m³/s (uma quimera) e hoje admite-se ser de apenas 10 m³/s, como já preconizava o saudoso Professor Theophilo Ottoni.
 
Tive a felicidade de convidar o grande e saudoso Engenheiro pernambucano Jorge Staico, especialista em recursos hídricos, um dos profundos conhecedores do vale do Rio São Francisco, pertencente ao quadro de servidores do Departamento Nacional de Obras de Saneamento  DNOS (entidade idealizadora e projetista da Barragem do Castanhão), para prefaciar o meu Livro A FACE OCULTA DA BARRAGEM DO CASTANHÃO – Em Defesa da Engenharia Nacional. Que extenso e belo Prefácio ele fez! Por este prefácio vê-se que sempre esteve do meu lado figuras exponenciais da Engenharia Nacional como o Professor Theophilo Benedicto Otoni Netto, Professor Emérito da Escola Nacional de Engenharia do Rio de Janeiro e o Professor Paulo Afonso Leme Machado, autor da obra “Direito Ambiental Brasileiro” que me concedeu a honra de escrever as abas deste meu livro em sua primeira edição.

Quando a sede do Dnocs foi transferida do Rio de Janeiro para Fortaleza todo acervo da Seção de Hidrometria que funcionava naquela cidade foi transferido para Recife-PE tendo sido eu o responsável para abrir os dez ou doze (grandes) caixotes contendo aquela preciosa documentação. Mais uma razão para eu me identificar com a Ciência Hidrológica.  E desde então, passei a operar a Rede Básica de Hidrometria do Nordeste até o início da década de 90, quando me aposentei.

Mas um dos mais significativos trabalhos que fiz quando era de minha competência e responsabilidade a operação e manutenção da Rede Básica de Hidrometria do Nordeste  foi na enchente excepcional no Rio Jaguaribe, em 1985, quando, através das duas equipes de hidrometria do Dnocs no Estado do Ceará, fizemos medições de vazões em cotas altas no Posto Fluviométrico de Peixe Gordo tendo à frente  os dedicados e competentes engenheiros Heitor Hugo da Silveira e José Arnóbio de Souza Alves, juntamente com os experientes hidrometristas sediados no Ceará na Segunda Diretoria Regional daquele Departamento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário