DESTAQUES CEARENSES

DESTAQUES

CEARENSES

Edição

2020

Alexandre Sales

Troféu Empreendedores

*******

Igor Queiroz Barroso

Troféu Benemerência

*******

Cabeto Martins Rodrigues

Troféu Prasino Angelos

_______________________

PALAVRA DO ANO

EM 2020

“PANDEMIA”

*******

SENTIMENTO

MAIS DEMANDADO

EM 2020

“RESILIÊNCIA”

______________________

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

ARTIGO - Hipocrisia Sincera (RMR)

HIPOCRISIA

SINCERA

Rui Martinho Rodrigues*


A Revolução Francesa bradou: igualdade, liberdade e fraternidade! Encaminhou-se, porém, para o terror do Período Jacobino, quando milhares de cabeça rolaram sob a “fraternidade” da guilhotina. O puritanismo evoca virtudes entre as quais devem estar a piedade, a tolerância e o respeito à vida. O puritano Oliver Cromwell instaurou uma república marcada pela rigidez, intolerância e violência. 

Contemporaneamente pessoas que se percebem como democratas defendem e impõem restrições à liberdade de expressão, recorrem à censura não só no campo político, mas até no campo religioso. Desrespeitam a liberdade de consciência. Criminalizam a crítica defendendo, recomendando e percebendo-se críticos.

O garantismo seletivo do STF não o impede de prender sem denúncia formal do Ministério Público; instaurar inquérito contrariando o parecer do Parquet e desrespeita o princípio do processo acusatório, misturando a condição de vítima, investigador, acusador e juiz. Grupos que se percebem democratas fazem ou apoiam manifestações violentas e acusam de antidemocratas manifestações pacíficas. A Crítica da intolerância, a defesa do pluralismo e a virtuosa reprovação das discriminações odiosas não raro leva, à intolerância e discriminação reversa. 

Hipocrisia é fingimento, dissimulação. É apresentar algo diverso do que sente ou pensa. Fariseus tornaram-se exemplo de hipócrita. Mas não há registro de que este grupo tenha violado formalmente a literalidade da lei mosaica. Cristo os acusou de hipocrisia pela observância somente da letra da lei, sem o cumprimento do espírito desta. Está escrito (II Corintios, 3;6) que a “letra mata e o espírito vivifica”. Os fariseus santarrões cumpriam e cobravam com máximo rigor as formalidades da lei. Afastavam-se, todavia, do espírito da normatividade debatida. 

A hipocrisia deles era “sincera”, no sentido de que formalmente defendiam e cumpriam o que era formalmente certo. A falsidade estava no espírito de suas motivações: exibir virtudes, perseguir pessoas e exercer poder. Acrescente-se que o farisaísmo, apresentando-se como movimento religioso e nacionalista, obteve apoio expressivo da população e tornou-se poderoso. 

As virtudes têm um lado paradoxal. Ensejam o sentimento de orgulho, de superioridade moral. São confundidas, na tradição iluminista, com o esclarecimento. Apresenta-se como ciência, mas não passa de cientificismo. Supõe que o desenvolvimento cognitivo pode aperfeiçoar o homem. Isso os coloca como detentores do monopólio das virtudes. Presumem-se superiores moral e intelectualmente.

O anseio de um ordenamento cognitivo dotado de totalidade,radicalidade e absolutidade é universal. O desejo de superar a finitude leva ao esforço de transcendência. Estas aspirações do campo cognitivo e psicológico são universais explicam a universalidade do fenômeno religioso, conforme Thomas O’Dea, na obra “Sociologia da religião”. Daí a existência de religiões políticas que prometem satisfazer a estes requisitos. O farisaísmo acomete fortemente as religiões políticas. Raymond Aron aludiu ao “ópio dos intelectuais”, em obra com este nome, em razão da semelhança entre as religiões com Deus e aquelas sem Deus que divinizam suas formulações.

O farisaísmo político é o mais pernicioso. O hipócrita laico apenas paga tributo às virtudes ao fingir respeitá-las. O fanatismo é a insegurança supercompensada dos convictos. Este é o DNA da hipocrisia “sincera” que padece da falta de autocrítica. É vontade de potência, na visão de Nietzsche, e é opressiva.


Nenhum comentário:

Postar um comentário